CDU recusa baixar o IRS em Castro Verde

Quinta-feira, 24 Setembro, 2015

António José Brito

director do correio alentejo

Na sua edição de 11 de Setembro, o jornal “Diário do Alentejo” publicou uma notícia sobre a redução do IRS de 2016 aos cidadãos dos diferentes municípios do distrito de Beja. Infelizmente, o texto não explicou bem o que está em causa e, nalguns pontos, não foi rigoroso e pode levar os leitores menos atentos a tirar conclusões erradas sobre esta matéria.
Desde logo, o título informa mal sobre a realidade que temos na região: não é verdade que “Apenas Odemira devolve parte ínfima do IRS”. No distrito de Beja são quatro as câmaras municipais que fazem essa devolução – Alvito (devolve 0,5%), Mértola (devolve 1,5%), Moura (devolve 2%) e Odemira (devolve 0,25%).
Se analisarmos toda a região do Alentejo (tantas vezes utlizada no “DA” como referência para noticiar inúmeras matérias!), verificamos que há mais 10 municípios que optaram por baixar a respectiva taxa de IRS aos seus residentes: Alcácer do Sal, Alter do Chão, Arronches, Castelo de Vide, Elvas, Fronteira, Gavião, Nisa, Sines e Vila Viçosa.
Há assim 14 concelhos do Alentejo (num total de 47… ou seja cerca de 1/3!) onde os contribuintes pagam menos IRS por decisão das autarquias locais. E no país inteiro, especialmente nas regiões do interior, são cerca de 90 câmaras municipais que vão devolver parte do IRS aos seus munícipes. Nestas inclui-se Lisboa, que ainda no tempo de António Costa, reduziu a taxa em 2,5 por cento.
É difícil perceber se a vontade política e sensibilidade social dos autarcas que assim decidiram vai ou não “contribuir para a felicidade das pessoas”, como afirmou o presidente da Câmara de castro Verde, Francisco Duarte. Mas uma coisa é certa: num país massacrado com tantos e variados impostos, custa entender que, havendo a possibilidade de aliviar a carga fiscal, optemos por não o fazer. E isto é bastante mais grave quando se trata de maiorias partidárias, como as da CDU, cujo discurso nesta matéria é sempre duríssimo contra o poder central.
Chegamos assim ao caso concreto e particular de Castro Verde. Se há município com condições e folga para tomar esta medida… este é um deles! Nos últimos 10 anos, em grande parte devido à actividade da Somincor, a Câmara Municipal recebeu cerca de 25 milhões de euros em Derrama. E se somarmos todos os impostos directos arrecadados pela autarquia, esse valor atinge mais de 30 milhões de euros!
A nosso ver, perante este quadro sem comparação no distrito de Beja e no Alentejo, devolver aos castrenses 3% do seu IRS não seria um grande drama para as contas da Câmara Municipal. Mas, infelizmente, a CDU que exige menos impostos no país acha que em Castro Verde não há nenhum problema em fazer exactamente o contrário. Uma profunda contradição que, como outras, só podemos lamentar!

(Texto igualmente publicado
no “Diário do Alentejo” em 18 de Setembro)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima