Abstenção venceu legislativas 2015

Quinta-feira, 8 Outubro, 2015

Carlos Pinto

director do correio alentejo

E no final da noite eleitoral de 4 de Outubro quem venceu as Legislativas 2015 não foi a coligação Portugal â Frente, de PSD e CDS (que manteve a maioria, ainda que minoritária), muito menos o PS (que aumentou a sua votação face a 2011, mas ficou muito longe da vitória), nem sequer o Bloco de Esquerda (que obteve o melhor resultado da sua história) ou a CDU (que conquistou mais um deputado, ainda que ultrapassada à esquerda pelo Bloco). A grande vencedora das eleições foi mesmo… a abstenção!
Num domingo cinzento, com alguma chuva e muito futebol na TV, foram votar 5.380.246 portugueses num universo total de 9.439.711 eleitores inscritos. Resumindo, ficaram em casa mais de quatro milhões de cidadãos, que preferiram o conforto do lar ao dever de votar – contas feitas, mais que o conjunto de todos os que votaram PSD/ CDS-PP, PS e Bloco de Esquerda. Resultado final: a taxa de abstenção foi de 43%, a mais alta de sempre em eleições legislativas.
Ora num momento tão decisivo para Portugal e para o nosso futuro colectivo, este é um número que não deve ser desvalorizado ou varrido para debaixo do tapete da nossa democracia. Porque ele é preocupante e reflecte, acima tudo, o estado a que chegou a relação dos portugueses com a política e com aqueles que são os seus representantes na Assembleia da República. Daí que seja preciso uma mudança entre todos nós. Sobretudo entre os eleitores, que têm de assumir de vez a sua responsabilidade enquanto cidadãos de pleno direito e deixarem de parte o papel de tribunos de café e paladinos de uma justiça alicerçada em manchetes de jornal. Ser cidadão é muito mais que isso. É participar e agir, intervir e exigir. Caso contrário, a democracia é como um tigre de papel. Forte na aparência, mas frágil na essência.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima