Um problema que é de todos

Quinta-feira, 27 Setembro, 2018

Carlos Pinto

director do correio alentejo

Nesta edição do “CA” apresentamos-lhe uma reportagem sobre um caso de violência doméstica no distrito de Beja. O drama vivido por “Rosa” e pela filha menor é apenas um dos muitos que vão sucedendo por alguns lares da nossa região e até do país. Uma situação muito mais recorrente do que aquilo que pensamos, independentemente do estrato social dos envolvidos, e totalmente inconcebível para uma sociedade que queremos cada vez mais inclusiva e igualitária.
A violência doméstica (assim como os abusos físicos e psicológicos sobre crianças e jovens) deve hoje ser encarada, seja sob que prisma for, como um problema de todos. Uma situação extrema à qual não podemos virar costas e alijar as nossas responsabilidades enquanto membros activos de uma comunidade.
E neste assumir de responsabilidades não se pode, em momento algum, excluir o Estado enquanto entidade colectiva e capaz de responder por todos nós. E o que sucedeu a “Rosa” evidencia bem que nesse campo há ainda muito por fazer. Porque aquela que foi a resposta dada a esta mulher – primeiro numa casa-abrigo e depois na Segurança Social – não pode nunca ser a regra, mas a excepção. Porque se em casos destes os cidadãos não puderem contar com o Estado para resolver os seus problemas, com quem poderão fazê-lo?

2. O filho do primeiro-ministro casou-se. No copo de água o pai do noivo dançou com a nova nora. Tudo trivial e usual em momentos do género. Mas houve quem achasse que tal era motivo para estar na primeira página de um jornal nacional. Será isto normal?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima