Um mandato falhado

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

António Revez

Este último mandado da CDU à frente dos destinos da Câmara Municipal de Beja vai ficar na história como um rotundo falhanço. Quatro anos de uma mão cheia de nada, de um vazio absoluto e confrangedor. Quatro anos a remendar buracos e buraquinhos nas ruas, nas estradas e nas escolas, a arrumar as contas caseiras, e a parir embustes milagreiros e alucinados, entre cidades do cinema, universidades do sul ou do Alentejo, fábricas dos chineses e etc. Para quem está recordado, e para quem não está, recordemo-lo, a candidatura da CDU enganou muita gente com o achado programático de tornar Beja uma cidade da ciência, da tecnologia e da inovação, enfim, uma cidade do saber e do conhecimento. Relendo o programa eleitoral da CDU, encontramos visionários projectos e suculentas promessas como Montes Pedagógicos, Observatórios em espaço rural, cyber “Aldeias” ou “Aldeias” do conhecimento, Parque dos Inventores, Laboratórios de Ciência Viva, observatórios astronómicos, pólos multimédia, postos de acesso à internet, Ludoteca no Jardim Público, e por aí a fora.
Ora, nada disto foi feito! A principal aposta da CDU, a sua única, apesar de precária e pouco sustentada, estratégia para a cidade e concelho ficou na letra do programa eleitoral. E algumas daquelas ideias nem requeriam volumosas verbas, apenas suponham competência política e técnica, atributos que não podemos reivindicar à equipa de governantes locais da CDU. Do urbanismo e requalificação urbana à cultura, da educação à juventude, da modernização tecnológica ao desenvolvimento económico, o que se assistiu nestes quatro anos foi a uma incompetência danosa dos eleitos da CDU. Danosa porque frustrou legítimas expectativas de muitos munícipes, porque hipotecou o futuro da nossa cidade, porque administrou mal as prioridades e gastou ainda pior os dinheiros públicos, porque recrutou técnicos e “homens de confiança política” desastrosamente incompetentes, porque não soube coordenar politicamente os bons técnicos de que a CMB dispõe, porque cedeu a tentações eleitoralistas e despesistas em final de mandato.
À excepção da área dos serviços municipais, da solidariedade social, e de alguns investimentos e obras nas freguesias rurais, o executivo da CMB abandonou-se a um letárgico desnorte, sem engenho político para dinamizar o campo de intervenção dos pelouros com projectos inovadores e necessários ou com a execução e desenvolvimento dos que definiu eleitoralmente, pelo menos os mais relevantes, como a construção de uma nova piscina descoberta, ou a recuperação total do Estádio Dr. Flávio dos Santos, a criação de um novo Pavilhão Polidesportivo ou do eixo de ligação de Beja ao rio Guadiana.
E em sectores como a cultura e juventude, a actuação do executivo foi calamitosa. A Carta Cultural do Concelho, a grande estratégia do Município para a cultura, e instrumento de coordenação de toda a actividade cultural do concelho através da criação do Conselho Municipal de Cultura, foram fantasmas de gestação “kafkiana”, talhados a picareta já no final do mandato e de total inutilidade. O Pax Julia continuou entregue a um director que é mero programador burocrático ou, com mais propriedade, um calendarizador de eventos e espectáculos. A Casa da Cultura definha, sem um plano de revitalização. Os museus e outros equipamentos culturais não ganham visibilidade (como a Galeria dos Escudeiros) e outros (como a Biblioteca Municipal) perderam constância ou regularidade nas actividades que promoviam. A juventude foi ostensivamente esquecida por este executivo durante quatro longos anos. O Além Rock e a Beja Alternativa foram extintos e compensados com a promessa de um grande festival da juventude, que veio nas vésperas das eleições, claro, e só foi grande no esbanjamento de recursos e na comicidade, pois resultou numa cópia medíocre e provinciana do modelo comercial dos principais festivais de Verão.
Agora que chegamos ao fim deste triste e frustrante mandato, seria um acto de elementar dignidade política e moral, exigível a uma equipa que incumpriu tantas promessas eleitorais, dar a cara publicamente, convocar os cidadãos e a comunicação social, e justificar pormenorizadamente tantos falhanços e desistências. Prestar contas aos eleitores seria uma despedida com alguma elegância e decência.
Porque em Outubro já não nos vão fazer perder mais quatro anos. Já chega. Estamos fartos. Beja merece melhor.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima