Sobre os comboios…

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Sérgio Engana

Presidente da Junta de Freguesia de Salvada

No momento em que se fala num investimento em TGV, anuncia-se a eliminação dos comboios Intercidades entre Beja e Lisboa, com claros prejuízos e transtornos para as populações do Baixo Alentejo, em particular para os mais desfavorecidos.

A este propósito, pretendo começar por referir o Jornal “O Bejense”, de 17 de Julho de 1860:
“Um grande lanço de via férrea, trasido das Vendas Novas a Beja, ligará, dentro em poucos annos, esta cidade populosa e rica com a capital do reino.
Novos ramaes do mesmo systema de viação, e muitas estradas ordinárias, virão, mais tarde, prender as terras importantes d’este districto com a sua capital, já enriquecida com aquelle tão valioso melhoramento.
O districto de Beja, possuidor, então, deste grande elemento de prosperidade, verá florescer a sua agricultura, engrandecer o seu commercio, e crescer e propagar-se a sua civilização (…)”

Mais escrevia “O Bejense”, em 31/7/1860:
“Devem começar brevemente os trabalhos do nosso caminho-de-ferro, e porque da escolha da sua directriz, e local das respectivas estações depende – em grande parte – o seu bom ou mau resultado: cumpre a todos nós estar á lerta, e às Câmaras Municipais pertence mais especificamente representar em tempo competente ao Governo, quando, por ventura, se pretenda fazer, sem razões ponderosas, quaisquer alterações na directriz, ou quando os pontos para a colocação das estações sejam menos convenientes (…)”

A nossa região já não tem prosperidade resultante da agricultura e o comércio foi em muito substituído na cidade pelo comércio chinês …
Mas o distrito tem pessoas, e destas, a maioria são pobres. Basta uma consulta em Lisboa para um pobre não conseguir resolver facilmente o problema em termos de transporte, pois o que faria em 2h30 num comboio Intercidades exige-lhe depois muito mais tempo!
Depois, fala-se na abertura do aeroporto de Beja! Então, como explicar que se eliminem outras ligações rápidas com a capital do país? Não é para percebermos! E assim estaremos absolutamente impossibilitados de “propagar” a nossa “civilização”, ou seja, a nossa cultura, o nosso património!
Tal como em 1860, cabe a todos nós estarmos atentos, reclamarmos e exigirmos a manutenção dos Intercidades Beja-Lisboa. E cabe às câmaras do distrito fazer essa exigência em nome dos seus munícipes, cujos interesses dizem defender…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima