Saber fazer e não apenas saber

Quinta-feira, 6 Novembro, 2014

Carlos Pinto

director do correio alentejo

Zinedine Zidane ficará para sempre na história do futebol mundial. Entre a década de 90 e o início do século XXI, este francês de origem argelina ganhou tudo o que havia para ganhar, fosse pelos clubes por onde passou ou ao serviço da selecção gaulesa. Chegou a ser considerado o melhor jogador do mundo e ao longo de década e meia ao mais alto nível trabalhou com os mais conceituados técnicos. Até na despedida foi diferente, com a expulsão na final do Mundial de 2006 diante da Itália. Este Verão decidiu ser ele próprio treinador, mas acabou suspenso durante três meses… por não ter um curso que o habilitasse a estar no banco como técnico principal!
O caso de Zidane ilustra bem a “ditadura” a que hoje todos estamos sujeitos pelo mundo fora. Ou seja, a competência de cada um apenas se mede pelos graus académicos que ostenta. Se for licenciado já não é mau. Pós-graduado? Muito bem. Mestre? Magnífico! Já o saber fazer, a ponderação e os anos de experiência prática (ou as épocas passadas ao lado dos melhores jogadores e treinadores do mundo, como no caso de Zidane) de nada servem perante um canudo, qual “passaporte dourado” para o êxito absoluto.
Ora esta é uma visão completamente errada. Que a formação é indispensável não há dúvidas. Que a capacitação de cada um deve ser uma prioridade também. Mas o saber fazer nunca pode ser relegado para um plano secundário e menor perante o domínio da teoria. Saber fazer é uma mais-valia que vai para além do conhecimento que 1+1 são 2. Saber fazer é um tesouro em forma de experiência que jamais poderá ser desaproveitado. Porque se só o saber fosse suficiente, talvez as contas em Portugal batessem mais vezes certo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima