O cravo que não sabe o que foi o 25 de Abril

Quinta-feira, 18 Abril, 2019

Vítor Encarnação

Na aula de História, um cravo jovem, daqueles de calça descaída, telemóvel 4G, brinco na orelha esquerda e sempre online, não soube dizer o que é a liberdade.
Um cravo dos mais velhos, professor com barba e cabelos brancos, zangou-se com o irresponsável desconhecimento que o cravo mais novo tem do 25 de Abril.
Pelos gritos e descomposturas, pode dizer-se que na aula houve uma revolução de todo o tamanho.
E depois, o cravo, que já viveu muitas Primaveras, ainda foi desabafar na sala dos professores: Não é possível! Esta geração de cravos está perdida. Estes cravos miúdos já não respeitam a História e só ligam aos telemóveis. Estas flores de agora já não cheiram a democracia!
O cravo jovem, tatuagem no caule e gel nas pétalas, até tem visto umas fotografias da revolução de Abril. E mais, o seu avô é bem famoso. É ele o cravo que está na espingarda do soldado.
O problema é que o avô se esqueceu de contar ao filho como foi a luta pela liberdade, e por isso o pai deste cravo já não lhe soube explicar o que foi o 25 de Abril.
Moral da História: A memória é curta e para não desaparecer tem de ser transmitida cravo a cravo. E nessa tarefa, os professores, não só os de História, também podiam ajudar!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima