Beja crescerá

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

José Carlos Albino

consultor

São velhas as queixas da escassa importância da cidade de Beja, quase sempre culpando o centralismo de Évora. Não é assim que faremos da capital do Baixo Alentejo uma cidade-capital com vida activa, que promova o desenvolvimento deste vasto território a sul, confinando com o Algarve. Não é que os líderes de Évora não tenham culpa no cartório; mas está nos bejenses a possibilidade de fazer da “Aldeia Grande” uma cidade dinâmica e próspera. A Ovibeja é um exemplo vivo que, com iniciativa e persistência, é possível pôr Beja no mapa nacional.
As principais responsabilidades vão direitinhas para a força política – o PCP – que há 35 anos domina a Câmara, com vistas curtas e com medo que o desenvolvimento os retire do seu poder sectário. Obviamente, que as diversas lideranças presentes na cidade também não têm sido capazes de ter o dinamismo e clarividência para dar a volta ao bloqueio instalado.
No final de contas, as forças económicas e sociais não têm tido a capacidade para aumentarem a sua dimensão e atraírem novos investidores que explorem as enormes potencialidades de Beja e do Baixo Alentejo; se durante anos e anos o Poder Central não prestou as condições para romper com o despovoamento, hoje já temos iniciativas que permitirão a multiplicação de empreendimentos nesta nossa zona territorial. Se a fixação de serviços públicos ajuda o progresso da cidade e vilas, a verdade é que está nas mãos dos baixo-alentejanos correr riscos virados para dinamizar a economia e a sociedade!
Apostemos nas iniciativas que criam postos de trabalho, nos mais variados sectores e fileiras e no território como um todo, e conseguiremos atrair serviços públicos e privados que criarão a “massa crítica” e o saber que superará os bloqueios existentes. Acredito que se vislumbram sinais positivos nos últimos tempos; agora, é hora de árduo trabalho para transformar as condições existentes em realidades em crescimento.
Esperançado que vamos dar a volta necessária para a afirmação de Beja e zona envolvente, deixo o apelo para que arregacemos as mangas e deixemos as queixas para os que nada querem fazer e realizar. E, assim, com Beja cidade-capital, motor e indutor de desenvolvimento e de bem-estar e lazer, e com o conjunto do território do Baixo Alentejo revigorado nas vilas e aldeias por um associativismo activo, seremos, de facto, uma Região com poder próprio no nosso vasto Alentejo!
Ao trabalho!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima