09h01 - quarta, 29/06/2011

PS do Baixo Alentejo critica extinção dos governos civis

PS do Baixo Alentejo critica extinção dos governos civis

A Federação do Baixo Alentejo (FBA) do PS não concorda com a extinção dos governos civis, anunciada na passada semana por Passos Coelho durante o discurso que fez na cerimónia da sua tomada de posse como primeiro-ministro.
Em comunicado, os socialistas baixo-alentejanos manifestam publicamente "o seu desacordo e forte protesto" contra a medida, que teve como primeira consequência prática a não nomeação de novos governadores civis.
Uma decisão que, sustenta a FBA do PS, no caso de Beja "é muito prejudicial" e que "priva a cidade e o distrito de dispor de uma instituição de representação dos seus interesses e direitos", sendo, por isso, "um grande e negativo golpe que não deve merecer o apoio dos cidadãos".
"Sempre lutámos para defender em Beja a sede das mais importantes instâncias do Estado e, nos últimos anos, vimos serem fixadas em Beja novas direcções regionais, casos da Autoridade para as Condições do Trabalho e da Entidade Regional de Turismo. Contudo, agora, invertendo esses ganhos, que havíamos conseguido, é excluída a mais importante entidade da representação político-administrativa do Estado em Beja", acrescenta o comunicado do PS.
A fechar, o PS do Baixo Alentejo saúda "todos aqueles que serviram como governadores civis do distrito, sob vários governos diferentes", e "particularmente o governador civil ora cessante, general Manuel Monge, o qual honrou o cargo que desempenhou, em prol do interesse público e geral, e num período de grandes ganhos políticos conseguidos para Beja e o Baixo Alentejo também graças à sua acção".


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00:41, Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2019
Centralismo vs parar tudo.
De certo onde há muito Bispo por exemplo Braga e Fatima.

O PSD_CDS não vão parar muito.


Que viva os governadores Civis se for para centralizar tudo.

22:50, Quarta-feira, 29 de Outubro de 2019
Antonio Ruas
O PS de BEja tambem tem que acordar... os governos civis são pura e simplesmente uma ma utilização dos recursos do pais, pois implicam uma maquina enorme em Lisboa, que deveria ser repartida pelo resto do pais numa regionalizaçao efectiva, em que não se criassem novas competencias, e logo novas atribuições de recursos inexistentes, mas onde se reutilizasem os recursos existentes para de uma forma mais proxima das populações se governasse melhor e com menos gente. |mais isso implicaria diminuir o monstro que existe em Lisboa... por isso ainda existiam governos civis,e as regiões, uma promessa adiada desde os primordios desta democracia. Todos os paises da Europa, inclusive alguns mais pequenos que Portugal tem uma forma ou outra de regionalização. Em Portugal perpetua-se o mo0nstro que ignora as reais necessidades das regiões e que as governa de forma arbitraria na maior parte das vezes. Sem governos civis, estou a ver o monstro a crescer...

07h00 - sexta, 16/08/2019
Poupança de água
promovida em Mértola
Quatro juntas de freguesia do concelho de Mértola assinaram nesta quarta-feira, 14, com a Câmara Municipal local, as declarações de honra para a atribuição de prémios no âmbito do concurso "Dar o litro por Mértola".
07h00 - sexta, 16/08/2019
Equipamentos entregues
aos Bombeiros de Aljustrel
A comissão organizadora de eventos da Associação Humanitária de Bombeiros de Aljustrel (AHBVA) promove nesta sexta-feira, 16, pelas 19h00, uma sessão de apresentação e entrega dos equipamentos adquiridos com as verbas resultantes dos eventos realizados.
09h00 - quarta, 14/08/2019
Exército Português coloca
atrelado-cisterna em Ourique
O Estado-Maior-General das Forças Armadas, através do Exército Português, pré-posicionou em Ourique um atrelado-cisterna e respectiva guarnição, constituída por militares do Exército.
09h00 - quarta, 14/08/2019
Leonor Dargent
candidata pelo
Iniciativa Liberal
A jovem advogada Leonor Dargent é a cabeça-de-lista do partido Iniciativa Liberal (IL) pelo distrito de Beja nas eleições Legislativas agendadas para o próximo dia 6 de Outubro.
07h00 - segunda, 12/08/2019
Cercicoa promove
vida independente
Um serviço que pretende chegar às pessoas "que mais dele necessitam", "diferenciador" e que garanta o exercício dos "direitos de cidadania" dos seus beneficiários: é desta forma que o presidente da Cercicoa "apresenta" o novo Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI) da instituição.

Data: 09/08/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial