PS preocupado com situação financeira da Câmara de Serpa

PS preocupado com situação

Os eleitos do PS na Assembleia Municipal de Serpa estão preocupados com a situação financeira da autarquia local, acusando a maioria CDU de “má gestão” ao longo dos anos.
Em comunicado enviado ao “CA”, os eleitos socialistas justificam a sua preocupação com o facto de na última reunião da Assembleia Municipal, realizada segunda-feira, 30, a Câmara ter pedido nova autorização para contrair um empréstimo de quatro milhões de euros “para proceder ao saneamento financeiro da autarquia, somando-se aos 7,5 milhões de euros existentes”.
Feitas as contas, “a dívida [da Câmara de Serpa] ascenderá a 11,5 milhões de euros”, assinala o PS, que criticam “vivamente a má gestão financeira que a CDU tem vindo a fazer, dando sempre a aparência que está tudo dentro da normalidade”.
“Com efeito, a dívida de curto prazo passou de perto de 800 mil euros em 2012 para 4,9 milhões de euros no final de Maio deste ano, o que pode ter consequências catastróficas para os agentes económicos do concelho de Serpa, que precisam que a Câmara lhes pague o que deve para poderem sobreviver”, assinalam.
Para os socialistas, e apesar dos avisos que têm sido dados, o “conjunto de más opções de investimento e funcionamento” que a maioria CDU tem seguido deram origem a uma dívida que “ameaça tornar-se insustentável e bloquear a acção do Município, o que já era notório no orçamento aprovado em Dezembro para 2014”.
“Com efeito, além do aumento brutal da dívida aos fornecedores, soma-se a dívida que foi sendo acumulada por opção política de não pagar à empresa Águas do Alentejo desde há vários anos, pelo que neste momento a soma da dívida com os juros de mora ascende a quase dois milhões de euros”, acrescenta o PS de Serpa, garantindo que perto de metade do empréstimo agora aprovado será para pagar essa dívida.
Tudo isto levou os eleitos do PS na Câmara e na Assembleia Municipal de Serpa a pedirem explicações ao executivo, “no sentido de saber que plano de austeridade vai ser aplicado no concelho”.
“Será necessário parar os investimentos e cortar na despesa”, defendem os socialistas, considerando que o presidente do Município, Tomé Pires, não foi “esclarecedor quanto ao que vai fazer”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima