Ministra da Agricultura "recebida" por manifestantes em Serpa

Ministra da Agricultura "recebida" por manifestantes em Serpa

Cerca de 40 manifestantes, com cartazes e faixas negras e gritando palavras de ordem contra o Governo, “receberam” esta segunda-feira, 1, a ministra da Agricultura, Assunção Cristas, à entrada de uma propriedade agrícola no concelho de Serpa.
Os participantes no protesto, representantes de sindicatos, movimentos e freguesias do distrito de Beja, esperaram pela ministra junto à estrada de acesso à Herdade Maria da Guarda.
Assunção Cristas chegou, por volta das 11h30, à exploração, onde presidiu à inauguração do lagar da Casa Agrícola Cortez de Lobão.
No âmbito do projecto, a empresa, através da Sociedade Agrícola da Herdade Maria da Guarda, plantou, entre 2006 e o início deste ano, 1,1 milhões de oliveiras, numa área de 575 hectares espalhada pelas herdades Maria da Guarda e da Capela, na freguesia de Vale de Vargo.
Aproveitando a deslocação da ministra da Agricultura, perto de 40 pessoas concentraram-se junto à entrada da herdade por onde a comitiva de Assunção Cristas passou, sem parar.
Os manifestantes empunhavam cartazes e faixas e gritaram palavras de ordem como “a luta continua, Governo para a rua”, “gatunos”, “mentirosos” ou “trabalho sim, desemprego não”.
Já as faixas, algumas delas negras e com frases escritas a branco, diziam, por exemplo, que “O roubo de salários é uma vergonha nacional”.
“Exigimos a reabertura da estação de correios de Safara” e “Santo Amador em luta, freguesia sempre” eram as frases de outras duas faixas, alusivas a freguesias do vizinho concelho de Moura.
Entre os participantes do protesto, foi possível ver representantes do Sindicato dos Professores da Zona Sul ou do Movimento Unitário dos Reformados, Pensionistas e Idosos de Beja.
Estes últimos empunhavam um cartaz com uma fotografia do Presidente da República, Cavaco Silva, “envergando” um camuflado militar e com a frase “Não tenho salários. Sobrevivo com uma reforma miserável de 10.042 euros”.
A ministra Assunção Cristas também foi directamente visada num dos cartazes!
Uma fotografia sua, colada num cartão, mostrava-a com um cacho de bananas sobre a cabeça, podendo ler-se, por cima, “destruir o que resta da produção nacional”, e, por baixo, “o que vai na cabeça da ministra?”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima