LPN alerta para “falhas graves” no Parque Natural do Sudoeste Alentejano

A Liga para a Protecção da Natureza (LPN) alerta para aquilo que chama de “falhas graves” na gestão do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV), garantindo que “formas de vida que resistiram durante milhões de anos no Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina encontram-se mais ameaçadas do que nunca”.
Tal como “SW” conta na edição desta sexta-feira, 30, a LPN argumenta que “o aumento da área agrícola, notório nas estufas e culturas cobertas que ocupam grandes extensões no PNSACV, tem suscitado preocupação com a conservação dos valores naturais” locais.
A LPN acrescenta ainda que “foram já identificados oficialmente vários incumprimentos das regras previstas no Plano de Ordenamento [do PNSACV], como a falta de implementação dos sistemas de monitorização da qualidade das águas subterrâneas e do solo, a falta de monitorização do estado das espécies e habitats, a cartografia e informação geográfica pública sobre as espécies, habitats e actividade agrícola na zona do Perímetro de Rega do Mira, e ainda a ausência dos Planos de Gestão no âmbito da Rede Natura 2000″.
“A legislação relativa às medidas de monitorização necessárias no Sudoeste Alentejano não foi até agora cumprida. É urgente a implementação séria da lei de forma a garantir que os valores naturais únicos desta zona não serão destruídos”, vinca o presidente da LPN.
Jorge Palmeirim acrescenta não ser “concebível o aumento da área de exploração agrícola sem monitorização do actual impacto desta actividade”.
“Se não se conseguir assegurar a correcta aplicação das medidas de gestão, não prevejo futuro para o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina”, sublinha este responsável.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

DECO promove atendimento em Odemira

Esclarecer dúvidas sobre os direitos do consumidor em diversas áreas é o grande objetivo das sessões gratuitas de atendimento que a DECO – Associação Portuguesa

Role para cima