Condição da mulher “retratada” no Museu da Ruralidade

O Museu da Ruralidade, situado em Entradas e propriedade da Câmara de Castro Verde, acolhe, a partir deste domingo, 16, a exposição “17 Retratos: A condição da mulher do campo nas décadas de 1950 e 1960 no concelho de Castro Verde”.

A mostra é inaugurada pelas 18h30 e, segundo a autarquia, “dá voz a 17 mulheres, cujos depoimentos desvendam um quotidiano de subalternidade, de trabalho e de sofrimento, mas também de resistência e esperança”.

O projeto resulta de “uma investigação cujos resultados serão divulgados sob as formas de uma exposição” e de um documentário, que será exibido às 15h30 de domingo, 16, no cineteatro de Castro Verde, seguindo-se a mesa-redonda “A Mulher de Ontem e Hoje”, com a participação de Manuela Tavares, dirigente da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta.

De acordo com a Câmara Municipal, “além do contributo para a preservação da memória, função do Museu [da Ruralidade]”, estes trabalhos “visam também prestar homenagem a uma geração de mulheres do campo do concelho de Castro Verde que lutaram, sem desfalecimento, para que os seus filhos e filhas pudessem ter uma vida melhor”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Odemira promove cidadania ambiental

Alertar as comunidades “para o problema dos resíduos”, para que os cidadãos “se tornem agentes de mudança”, é o grande objetivo do projeto “A Rua

Role para cima