Uma rosa para Carolina

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Miguel Rego

arqueólogo

A Lua anichava-se, quase toda, muito queda e brilhante, na poça de água que as primeiras chuvas de Outubro tinham formado entre fortes trovoadas. A noite estava agora sem nuvens e um vento fresco soprando brando trazia um naco de frio doce, mas não o suficiente para fazer tremer os ramos frondosos e encharcados da azinheira que respirava calma junto ao Monte Amarelo. De quando em quando, ouvia-se ainda no silêncio corpulento da noite, o rasto deixado pelo caminhar lento das trovoadas vindo das largas serranias cinzentas que se avolumavam para Sul. Parecia sentir-se ainda maior o corpo pesado da imensa massa de terra que se avizinhava ali, para lá do que a quase Lua Cheia alumiava com o seu olhar claro.
O pequeno vale, que servia de leito à ribeira da Murta, respirava agora um vago sabor a terra molhada e a lenha queimada. Carolina reacendera o lume na lareira ainda morna que a noite chuvosa e turbulenta pouco antes a fizera apagar. O fim de tarde rasgado pelas trovoadas e pelas violentas bátegas de água fê-Ia decidir entrar mais cedo na pesada cama de madeira de carvalho e aconchegar-se entre dois lençóis alvos de linho e mantas de lã. Mas passada a borrasca, devolvida a normal quietude ao casario, aqui e ali interrompida pelo ladrar nervoso do Rafeiro ainda assustado pela tormenta e pelos sapos gordos e carnudos que saíam debaixo das pedras fugindo à água, Carolina desistiu de tentar adormecer. Nem o suave odor a alfazema que inundava o quarto, nem o delicado afago das roupas da cama, que tantas vezes tinham exasperado a sua avó materna para dali a tentar arrancar, eram suficientemente fortes para a manter naquela imobilidade nervosa.
Carolina somava pequenos ramos de esteva à mão cheia de pinhas que começavam a arder no chão de tijoleira da chaminé, com o auxílio de meia dúzia de folhas de jornal. Enquanto escolhia três magros troncos de azinho para juntar ao pequeno fogo que inundava de luz a sala de jantar, ajeitou-se-Ihe um pequeno sorriso nos lábios que lhe sombreou, zeloso, as pequenas rugas que começavam a pincelar os seus olhos amendoados.
Sentia o lume que encorpava na grande chaminé vestida de cal, enchendo a sala de sombras suaves e de movimentos inconstantes onde revia os seus bichinhos mágicos dos serões de infância projectados nas paredes e no tecto do casarão. Quando se levantou para guardar a caixa de fósforos na sanefa improvisada por um largo tronco de cedro sobre a boca da chaminé, tocou a pequena cadeira de troncos de esteva e fundo de bunho que lhe fizera o avô, onde se sentava aos saltinhos, de indicador em riste e rindo do ar incrédulo dos maiores sempre que reproduzia o que dizia cada um daqueles animais fantásticos, que só ela conseguia destrinçar em corridas intermináveis entre cadeiras, mesa e armários.
A noite ia sossegando pouco a pouco aos seus olhos entre um bule de chá de cidreira quase vazio e um fogo reduzido a um intenso braseiro incandescente, onde as sombras mais não eram que pequenas lavaredas comendo o que ia restando dos pequenos troncos.
Quando as cinzas quase engoliam uns pequeninos laivos incandescentes do lume já cansado, Carolina levantou-se. E, em meia dúzia de passos, com as mãos magras agarrando a fina chávena de cerâmica branca e amarela, chegou-se à janela do salão e bebeu o que restava de uma noite, agora mais escura e fria, mas invadida por um corrupio brilhante de estrelas. Não evitou com o grito seco, que ecoou por todo o vale, que Perseu agarrasse Pégaso perante a serenidade da constelação de Andrómeda. Depois, irritada, puxou o cortinado, e antes de resvalar para a cadeira de baloiço e semicerrar as pálpebras, fechou a porta da gaiola onde definhava um coelho sapudo com asas. Aconchegou ao seu colo o cão com bigodes finos de gato e patas de cavalo e enxotou o rato com rabo de penas antes que este voltasse a comer o quase rabo da velha lagartixa. O Monte Amarelo era agora o respirar tranquilo do resto da noite e, na velha azinheira, brotava mais uma rosa que Carolina haveria de colher antes da chegada impetuosa do Sol.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima