Piddac

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Miguel Rego

arqueólogo

Indubitavelmente não posso fugir à proposta de Orçamento do Estado apresentado pelo Governo para o próximo ano de 2007 nesta crónica, apesar de não ser um entendido nestas matérias. Reconheço isso e apenas o faço olhando para os mapas disponíveis na Internet e disponibilizados pelo nosso ministro. E não posso por duas questões muito concretas. Sempre fui a favor de uma política governativa descentralizadora baseada no municipalismo, contra a lógica das grandes regiões, mas com concelhos técnicos regionais que justificassem e fundamentassem seriamente grandes opções do Poder Central. Sempre fui a favor da existência de um instrumento, que poderia ser a figura do PIDDAC, para a consolidação, construção, implementação de projectos de importância para-local ou semi-regional e que servissem de trampolim para o desenvolvimento de “pequenas” iniciativas a nível municipal ou intermunicipal. O nosso “engenhêro” ainda me fez pensar que, pouco a pouco, daria ao PIDDAC alguma seriedade que Governo algum, até hoje, tinha dado. Acreditei. Mas enganei-me. Para uma região desta dimensão, 80 milhões de euros!!!! Aqui, onde se quer construir um aeroporto, um IP8, onde faltam escolas de qualidade, onde existem tribunais onde os documentos se acumulam vertiginosamente no chão, 80 milhões de euros… Mas pior que isso! Há concelhos que não levam um tostão. Atenção que os dados estão na Internet… Alvito, Barrancos, Cuba. ZERO de PIDDAC. Castro Verde tem prevista uma verba de 2,5 milhões que vai servir para pagar uma obra há muito feita. O nó de Castro Verde da A2 com o IP2. Ferreira do Alentejo tem prevista uma verba de 1827 euros… isto tem comentário possível? Estes dados fazem parte dos documentos disponíveis pelo Governo na Internet. Não saíram nos jornais nem fazem parte de nenhuma campanha para denegrir as políticas macro-económicas do Governo nem a sua preocupação em deslitoralizar o país… Mas pior do que isso, e para PIDDAC já chega, num período em que se abre um novo Quadro Comunitário de Apoio que tem como chaves-mestras para os anos de 2007-2013 a formação, a interculturalidade e a consolidação da mão de obra científica na comunidade europeia, descem as verbas para a cultura e para a educação? Estarei mais míope? Espero estar a ver mal… e estou seguramente. Porque não creio que para o Estabelecimento Prisional Regional de Beja estejam previstos 15 000 euros para remodelação de instalações, numa altura em que tanto se fala na modernização do sistema prisional. Ou 6500 euros para infra-estruturas e equipamentos no Centro de Emprego de Moura, quando precisamos tanto de encontrar e reforçar lógicas claras de formação de pessoas para fazer crescer a capacidade de competitividade da nossa região. Felizmente, na próxima edição, alguém me vai explicar que vi os quadros errados. Mas tenho que admitir, que há muitos milhões de euros para o aeroporto de Beja. E isso significa, seguramente, que a voar vamos ver, de certeza, o PIDDAC a passar por estas terras do Sul. Digam-me que vi mal, por favor!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima