Ourique: A vergonha ou a falta dela?

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Fernando Romba

Membro da Assembleia Municipal de Ourique do PS

Um comunicado à população, proveniente da concelhia de Ourique do PSD, deixou-me boquiaberto.
Vem esta concelhia questionar o porquê da Câmara Municipal de Ourique integrar a lista de municípios, divulgada pelo Ministério das Finanças, relativa ao endividamento.
Certamente, esqueceram os seus 12 anos de desgoverno e o total descalabro em que deixaram a autarquia:
– uma dívida superior a 22 milhões de euros;
– as obras do tão badalado Mini-Pólis totalmente paralisadas;
– uma enormidade de processos em Tribunal, por dívidas;
– a capacidade de endividamento amplamente excedida e impossibilidade de recurso ao crédito;
– o total enxovalho da Câmara Municipal de Ourique e, por arrastamento, o bom nome do concelho e dos seus habitantes, deitado à lama.
Depois da fuga estratégica para o Parlamento, através do distrito do Porto, o anterior presidente e actual porta-voz da concelhia continua com as suas ridículas piruetas. E tenta desculpabilizar-se pela indigente actuação que teve à frente dos destinos da autarquia.
Pensaria eu que estas pessoas, fazendo um balanço da anterior prestação, teriam alguma sensatez e, pelo menos, abster-se-iam de dizer barbaridades…
A auditoria, promovida pela Inspecção-Geral de Finanças e realizada por amostragem, veio demonstrar que, por exemplo, a Câmara de Ourique gastava, para oferta “não se sabe a quem”, milhares e milhares de euros em artigos de ourivesaria.
Ficou-se também a saber que o anterior presidente, enquanto membro do Comité das Regiões, se deslocava, com alguma frequência, a Bruxelas, acompanhado de adjunto e motorista, com todas as despesas suportadas pelo cofre do município. Contudo, um pequeno senão: o Comité das Regiões suportava a deslocação e estadia dos seus membros. Em conclusão: o anterior presidente recebia o mesmo montante, relativo às viagens e estadias, de dois locais.
Infelizmente, são apenas pequenos exemplos da forma leviana e estouvada como foi desbaratando as finanças do município.
Mas, para além da enormidade de facturas em dívida, registadas na contabilidade e, em consequência, plasmadas na prestação de contas, encontraram-se “esquecidas” numa qualquer gaveta, algumas outras, totalizando um montante superior a 1,2 milhões de euros.
O actual executivo mandou processá-las na contabilidade. Ao contactar estes credores, foram exigidos, por alguns, os consequentes juros de mora.
E é precisamente devido a este montante relativo a juros de mora que a Câmara de Ourique viu o seu nome na lista das autarquias endividadas.
Como facilmente se conclui, a indicação da autarquia de Ourique nesta listagem é, nem mais nem menos, uma consequência directa da gestão ruinosa levada a cabo por José Raul Santos, mercê das irregularidades cometidas, ao não registar, nas respectivas prestação de contas, estes montantes em dívida.
O povo de Ourique continua à espera que se faça justiça. Que os órgãos próprios analisem as irregularidades e ilegalidades mencionadas nas auditorias, e actuem em conformidade.
No mínimo, recomendava-se algum decoro e compostura àqueles que tanto mal fizeram ao concelho de Ourique e que por aí continuam a papaguear.
Como diz o bom povo alentejano: haja vergonha!!!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima