Dúvida

Quinta-feira, 17 Julho, 2014

Vítor Encarnação

Ao contrário do que parece, a dúvida é essencial no processo de crescimento dos indivíduos. Pôr construtivamente em causa certezas rotuladas de inatacáveis e reabrir questões arbitrariamente encerradas é um princípio que, apesar de não estar incluído em nenhum currículo escolar ou de cada vez menos fazer parte de uma educação familiar criteriosa, deve ser ensinado desde a mais tenra idade.
As sociedades modernaças, apologistas de que a vida deve dar sempre resto zero, inimigas da filosofia, do pensamento livre e da literatura, têm pavor a esta postura. Por a considerarem atentatória da confortável dormência, tratam a inquietação como algo maligno que é preciso controlar e, se possível, banir da face da terra.
Face a esta progressiva anulação do indivíduo enquanto ser pensante e crítico, deve reanimar-se a pergunta, instaurar a dúvida, proclamar a incerteza. Às vezes quem vai sozinho em sentido contrário também está certo. E se não estiver, pelo menos acrescenta um toque de diferença e horizonte. Até o sol, que é uma verdade absoluta, tem vários tons e intensidades.
É pois necessário cultivar algum desassossego e instruir no sentido de duvidar. Não se trata de subversão ou anarquia. Trata-se sim de perceber o que está por detrás do pano neste palco onde nos mandam actuar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima