De olhos em bico

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Rui Sousa Santos

médico

O Dalai Lama é uma figura inegavelmente simpática. Diplomata exímio, tem feito os possíveis e impossíveis pela divulgação e sensibilização do mundo para a causa do Tibete ocupado. Vítima, por vezes, de algum pragmatismo excessivo por parte dos Estados (veja-se a sua última visita a Portugal), resiste ao que por vezes nos parece constituir uma humilhação com uma superioridade tão simples que parece nem existir. Faz-me lembrar muito uma figura já desaparecida da cultura portuguesa: Agostinho da Silva. Percebe-se, nos dois, essa capacidade avassaladoramente atraente de falar das coisas da vida como se elas e ela fossem, realmente, simples. A capacidade de se fazer entender, sem dúvidas, o discurso cristalinamente transparente. E o desprendimento material, a sabedoria de saber viver com o mínimo necessário, apenas ao alcance de espíritos verdadeiramente dotados.
A China precisa, politicamente, dos Jogos Olímpicos de Pequim como de pão para a boca. Constituirão uma espécie de cereja em cima do bolo do reconhecimento do Império do Meio como grande potência mundial. A ideologia rendeu-se definitivamente ao mercado: o “desvio de direita” de Liu Chao-Chi e a morte provocada de Lin Piao constituíram, nos finais dos anos Sessenta do século XX, a derrota de uma visão provavelmente sensata de alguma “evolução na continuidade” e abriram a porta ao radicalismo que ultrapassou Mao pela “esquerda”. Mao facilitou as coisas entregando a alma ao criador e Deng Xiao Ping assumiu-se como a alternativa ao caos, com paciência de chinês. Nixon e os sucessores acompanharam com atenção o processo e entregaram o assunto aos CEO’s de umas quantas <i>corporations</i>, que fizeram bem o seu trabalho. Hoje a China é, efectivamente, uma grande potência, com uma taxa de crescimento arrepiantemente alta aos olhos ocidentais. Mas à custa de quê: de trabalhadores sem protecção e sem quaisquer direitos? De uma exploração desenfreada de mão-de-obra pouco qualificada? De uma degradação ambiental sem precedentes (ou com precedentes semelhantes na ex-URSS), com uma poluição atmosférica ímpar nas grandes metrópoles urbanas? De uma censura e de uma repressão política que deixam Orwell corado de modéstia? De um sistema penal hiper-repressivo que assassina, anualmente, através de condenações à morte, largos milhares de chineses (com o “delicioso” pormenor de a bala de execução ser debitada à família do executado)? Já Mao Zedong encolhia os ombros com desprezo perante as consequências de um hipotético confronto nuclear fronteiriço com a URSS (as relações sino-russas nunca foram brilhantes…): o impacto da morte de vinte milhões de chineses (o número que, na altura, se falou como possível consequência do confronto para o lado chinês) era desprezível, num país com mais de 1 200 000 de pessoas! Quer isto dizer que estamos perante um dos mais elaborados exercícios de cinismo político a que a Humanidade teve oportunidade de assistir – se a globalização permitiu a deslocalização das produções para cenários a melhor preço, permitiu, também, a deslocalização de alguma acumulação de riqueza. A grossa fatia de renminbao foi aplicada em títulos de dívida norte-americana, que o génio W. e capangas fizeram crescer de forma impressionante (lembremo-nos de que Bush recebeu, de Bill Clinton, um orçamento superavitário!), e a verdade é que os amigos chineses têm a mão a apertar a parte mais dolorosamente saliente da economia norte-americana. Assim sendo, juizinho, meus caros…
A chama olímpica passou já por Paris e Londres, com múltiplas manifestações pró-tibetanas a tentarem e conseguirem estragar o efeito pretendido pelas autoridades chinesas. Pôr o Tibete na ordem do dia, como exemplo de um povo a quem foi negado o direito à autodeterminação, é uma aposta ganha. A felicidade “socialista” que a China ofereceu os tibetanos em 1957 foi por estes claramente recusada. Provavelmente porque adoram ser governados de modo feudal, detestam o desenvolvimento e são avessos à democracia.
Para além das inúmeras lojas, cabe-nos, agora, a fábrica de pilhas. É bem vinda, cria empregos numa zona onde há poucos. Atenção a possíveis efeitos poluentes, evitem-se desde o princípio. Recebam-se bem os investidores e os trabalhadores chineses. Mas mostre-se-lhes que em Portugal se respeitam os direitos dos trabalhadores. Por muito que, em Portugal, quem lambe “internacionalisticamente” as botas políticas do PCC grite o contrário. Vê-se…
Medalha de mérito do concelho de Beja em 2008? Para Hu Jintao, pois então!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima