Apostar no emprego

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

António Sebastião

presidente da Câmara de Almodôvar

O duro caminho da consolidação das contas públicas, que temos vindo a percorrer, começa, ainda que indelevelmente, a dar os primeiros indicadores positivos.
Na verdade, de acordo com os últimos dados, existe um maior equilíbrio das contas públicas, a balança comercial está mais equilibrada, por via do aumento das exportações e concomitante diminuição das importações e, pela primeira vez nos últimos anos, os juros da dívida pública baixaram para níveis que há mais de dois anos não almejávamos alcançar.
O mote do crescimento económico está agora lançado e diversas individualidades, parceiros sociais e a própria troika, alertaram para a necessidade imperiosa de uma aposta, clara e inequívoca, do crescimento da economia nacional.
Importa, pois, acelerar o crescimento da economia, com mais e melhor investimento, com a adopção de políticas que potenciem a exportação nacional para novos mercados emergentes e o acesso das empresas ao crédito com juros mais aliciantes.
De facto, o crescimento da economia e o equilíbrio da balança comercial são factores determinantes para o aumento da empregabilidade e consequente diminuição dos elevados níveis de desemprego, que têm vindo a agravar-se no último ano.
Mas a dicotomia crescimento da economia versus diminuição do desemprego não é, de forma alguma, automática. Isto é, os reflexos de uma boa política económica levam alguns meses ou mesmos anos a serem positivos para o mercado de trabalho.
Como tal, importa que o Governo crie programas públicos de apoio à empregabilidade, que se reflictam, imediatamente, no tecido social português.
Se tal é verdade no todo nacional, o mesmo diremos ao nível da nossa região. Alguns concelhos, tais como o de Almodôvar, têm ganho visibilidade, pela adopção de uma estratégia transversal às especificidades deste vasto território que congrega uma multiplicidade de dinâmicas locais envolvendo investimentos, públicos e privados.
Falo especificamente da Estratégia de Eficiência Coletivas Provere – Valorização dos Recursos Silvestres do Mediterrânio, da qual Almodôvar é chefe de fila. Este programa permitirá implementar novos eixos de desenvolvimento das inúmeras potencialidades locais, tais como os produtos endógenos e a qualidade paisagística e ambiental.
Esta aposta permite interligar eficiência económica, coesão social e equilíbrio ecológico, fazendo do desenvolvimento sustentável o pilar das políticas de fixação e atracção de pessoas e o aumento dos índices de qualidade de vida local e regional.
Destaco, a título meramente exemplificativo, as acções estratégicas para a valorização, promoção e internacionalização dos recursos silvestres do Sul de Portugal, a criação de um Centro de Excelência para a Valorização dos Recursos Silvestres do Mediterrâneo e vários investimentos na área do turismo, agricultura biológica e investigação.
Tal representa um total de mais de 130 projectos, com um valor de investimento que ultrapassa os 30 milhões de euros.
Em termos mais globais, esta estratégia poderá assumir-se como um elemento catalisador do desenvolvimento local, que assenta nas nossas especificidades e cultura milenares, aliados a um profundo “saber fazer” que nos distingue dos demais.
Acreditamos que este é o caminho a seguir, o qual trará reflexos positivos ao nível da empregabilidade, sobretudo dos mais jovens e das mulheres, pois só com um desenvolvimento sustentável será possível atingir as metas que Portugal precisa para ultrapassar esta fase negativa da sua história recente.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima