Abril na rua, outra vez

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Miguel Rego

arqueólogo

A notícia correu célere na comunicação social portuguesa no início desta semana e, como que por encanto, parece querer eclipsar-se. Mas é importante que não sejamos cúmplices nesse silêncio e que reflictamos sobre a realidade que se nos apresenta fria: o número de crianças entradas nos hospitais com sinais claros de fome, repito, de fome, aumentou e tornou-se muito mais habitual do que qualquer cidadão minimamente informado poderia imaginar. E não é, seguramente, um problema recente. Até porque não faltaram as rápidas soluções de alguns departamentos governamentais com as respostas na ponta da língua, providenciando a rápida dilatação do funcionamento das cantinas escolares e o lançamento dum programa que “ensinará” os pais a alimentar mais racionalmente e de uma forma mais económica os seus filhos. Juntando estes episódios ao aumento exponencial das dívidas às redes de telemóveis, ou ao incumprimento do pagamento dos empréstimos aos bancos, à deflação da economia no mês de Março ou ao número de desempregados que cresce em catadupa nas filas dos centros de emprego, parece-nos mais que evidente que vivemos numa sociedade em risco eminente de colapso. Mas mais grave que tudo, e o que mais me aflige, é o rotundo falhanço das sociedades modernas, e em particular da portuguesa, no garantir de uma das mais primárias e elementares necessidades de qualquer cidadão: o pão! Recordo-me dos anos sessenta e dos miúdos descalços, ranhosos e com um bocado de pão na boca. Vivi lado a lado com essa realidade, sem que a tenha sofrido directamente, diga-se em abono da verdade. Mas vivi igualmente a profunda alteração que os primeiros anos a seguir ao 25 de Abril trouxeram. Seguramente, nunca imaginei em pleno século XXI, trinta e cinco anos depois da revolução dos cravos, voltar a coabitar com essa realidade. Paz, pão, habitação era o slogan que a plenos pulmões se pedia para cumprir Abril. Para se cumprir a Revolução. Mas a minha geração não o conseguiu. Os projectos que geriram este país ao longo das últimas três dezenas de anos falharam redondamente na garantia dos mais elementares direitos da população. Falta a cultura (veja-se o miserável valor do PIB para a Cultura), a educação (este ano são menos 100 milhões de euros para as universidades!), o trabalho (estamos com uma das mais altas percentagens de desemprego dos últimos vinte anos), a habitação (a maioria dos bairros sociais são guetos transvestidos de casas com dignidade) e o pão (no Portugal do século XXI as crianças entram nos hospitais com fome). O sonho de Abril desvanece-se na apreensiva frieza dos números. Não tenho soluções, mas gostaria de ver discutir com seriedade este Abril que temos, 35 anos depois. Gostaria de ver as pessoas a pensar as soluções para outra realidade. Outras soluções que não fossem apenas a da caridadezinha e dos milagres televisivos de ocasião. Gostaria de ver outra vez Abril na rua.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima