Misericórdia de Beja vai investir 4ME em 40 habitações sociais

A Santa Casa da Misericórdia de Beja (SCMB) vai avançar com a construção de 40 novas habitações sociais na capital baixo-alentejana, num investimento avaliado em cerca de quatro milhões de euros que deve estar concluído em 2024.

Segundo adianta ao “CA” o provedor João Paulo Ramôa, este projeto integra a Estratégia Local de Habitação (ELH) de Beja, promovida pela Câmara Municipal e que tem a SCMB como entidade parceira. A ELH de Beja prevê um investimento total de quase 29 milhões de euros, contratualizada no início deste ano de 2022 com o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) e que será financiada ao abrigo do “1.º Direito – Programa de Apoio ao Acesso à Habitação”, lançado pelo governo.

“Entendemos que esta seria uma oportunidade de ampliarmos o nosso parque habitacional social, porque também sentimos muitas solicitações para habitação”, justifica o provedor, lembrando que a SCMB possui, neste momento, “60 habitações sociais”.

“Apesar de dar ideia que 60 habitações são muitas, não são. Porque às vezes entregamos uma habitação e depois as pessoas ocupam-nas por 30, 40 ou 50 anos. Ou seja, rapidamente se esgota a disponibilidade e, neste momento, não temos uma única habitação social disponível face às necessidades para as quais somos solicitados”, observa João Paulo Ramôa.

Perante esta realidade, a SCMB vai avançar com a construção de 40 habitações sociais numa parcela de terreno de que é proprietária no Bairro dos Moinhos, na zona noroeste da cidade, num investimento estimado de quatro milhões de euros e que poderá vir a ser financiado “a 100%”, em função da execução e dos fundos disponíveis no âmbito do programa “1.º Direito”.

O projeto da Misericórdia de Beja prevê a construção de 24 habitações de tipologia T1 e mais 16 T2. “Serão duas bandas de habitação, com rés-de-chão e primeiro andar”, explica João Paulo Ramôa, adiantando que a empreitada deve avançar “em 2023” e estar concluída “em 2024”.

“Já temos os projetos de arquitetura aprovados e dentro de um mês temos os projetos de especialidade. Depois é lançar concurso e fazer a adjudicação, pois temos de cumprir com as regras da contratação pública a 100%”, acrescenta o provedor.

A par dos trabalhos de construção, a SCMB está a desenvolver o regulamento que vai definir os critérios para a atribuição das novas habitações sociais.

“Temos a intenção de não transformar aquilo num bairro claramente marcado por um determinado tipo de conceito, mas ter lá casais, idosos e jovens. Ou seja, queremos ter um espaço que seja o mais multicultural e multigeracional possível, para não transformar aquilo em blocos com marcas geracionais ou sociais. Queremos ter ali uma população o mais heterogéneo possível”, sublinha João Paulo Ramôa.

Além da construção de novas habitações sociais, a SCMB vai igualmente “retirar fibrocimento de 17 casas” sua propriedade, “construídas nas décadas de 70 e 80” do Século 20 e “que utilizavam esses materiais”.

“Pensamos fazer essa operação em 2023”, conclui João Paulo Ramôa.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima