EMAS de Beja apresentou Centro de Ciência da Água

Promover a sensibilização e educação ambiental e, em simultâneo, apoiar a operação técnica da empresa: são estes os grandes objetivos do novo Centro de Ciência da Água (CCA) da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja, que foi dado a conhecer publicamente nesta quarta-feira, 12.

O novo projeto representa um investimento a rondar os 100 mil euros, integralmente suportado pelo Fundo Ambiental, e a sessão de apresentação pública teve a presença, entre outros, da secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, do presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio.

Segundo o administrador-executivo da EMAS de Beja, o projeto do Centro de Ciência da Água “potencia um trabalho que já vinha sendo feito” pela empresa, sendo “inovador” ao “juntar no mesmo projeto o mundo real da prática” à “questão da sensibilização ambiental”.

“Estamos em crer que é, de facto, um projeto único, que pode ser replicado noutros sítios”, acrescenta Rui Marreiros, em declarações ao “CA”.

De acordo com o gestor, uma das valências do Centro de Ciência da Água é a unidade móvel rebocável, “que vai ser muito direcionada para as ações de sensibilização ambiental”.

“Esta unidade vai-nos permitir ter outra forma diferente de poder fazer esse trabalho, principalmente nas iniciativas que temos desenvolvido com as escolas e também nas outras iniciativas com a comunidade em geral”, nomeadamente o “Orçamento Participativo”, os “Heróis da Água” ou a “Missão Plástico Zero”, diz Rui Marreiros, acrescentando: “Será uma forma mais fácil de poder chegar à comunidade e com ela interagir, para continuar a fazer aquilo que achamos que já fazemos bem na área da sensibilização ambiental”.

A outra componente do projeto do Centro de Ciência Viva é um veículo todo-o-terreno, equipado tecnologicamente para responder a necessidades da EMAS de Beja “na questão da água não faturada, na deteção de fugas e na gestão de rede de águas”.

“A nossa capacidade operacional fica reforçada numa área que é também estratégica”, observa Rui Marreiros.

O administrador-executivo da EMAS de Beja afiança que esta “era uma ideia que a empresa já tinha em carteira” há algum tempo, agora concretizada com o apoio da Agência Portuguesa do Ambiente, através do Fundo Ambiental.

Rui Marreiros acrescenta que o Centro de Ciência da Água “está absolutamente pronto” a entrar em funcionamento. “Na verdade, a vertente do veículo todo-o-terreno já está a trabalhar. E a unidade móvel está pronta e vai para o terreno assim que for possível”, tendo em conta as restrições impostas pela Covid-19, conclui.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Odemira promove cidadania ambiental

Alertar as comunidades “para o problema dos resíduos”, para que os cidadãos “se tornem agentes de mudança”, é o grande objetivo do projeto “A Rua

Role para cima