Um sopro de Suão

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Vítor Encarnação

Em 1968, numa manhã de geada parida por uma noite fria de Janeiro, João Mendes apanhou o comboio na Funcheira. Na bagagem levava uma muda de roupa, traços de melancolia e a morada de uns primos na Cova da Piedade.
Era tempo de abalar. Tinha chegado ao limite da sua capacidade de resignação. Por respeito aos pais e tendo em conta a relação destes com o lavrador que lhes dava o sustento e a caridadezinha no Natal e na Páscoa, havia desenvolvido uma fina capa de aceitação do estado das coisas. Era apenas um verniz tosco, uma pálida demão de instinto de sobrevivência. Mas à noite, com o fogo de azinho a alumiar-lhe olhos e alma, pensava. Pensava que a dignidade de um homem é seu último reduto. Perdido isso, perde-se tudo. Não é preciso ler livros para perceber que a existência de um ser humano não se faz de joelhos.
As searas de poucos. A cortiça de poucos. Os rebanhos de poucos. As propriedades de poucos. A miséria de quase todos. De sol a sol. O corpo sempre dobrado. A magra jorna. A sorte magana. Os sonhos esmagados. Pequenas tréguas na noite cansada. O suor escorrendo em vão, a pele queimada em vão, as gretas das mãos em vão – e tão pequenas as noites no Verão. E ele deitado na cama, remoendo, remoendo. Com uma foice no pensamento, rasgando ordens de capatazes, cortando injustiças, esventrando alarves.
Era hora de abalar com o coração cheio de geada. A mulher chorava à porta do monte. Nunca antes a sua companheira tinha chorado tão cedo. Na monda e na ceifa, quando os rins quebravam, aí sim. Mas de madrugada nos braços do seu homem, aí nunca.
A caminho da carrinha de bestas que o havia de levar durante duas léguas, João Mendes era um sobreiro arrancado pela raiz à luz da lua.
O filho dormia, quente e ingénuo. Talvez um dia o pai lhe falasse das lágrimas que caíam quando o monte todo lhe morreu atrás das costas.
A neblina que cobria a vereda era feita de uma pasta de silêncio só interrompido pelos cascos das éguas e pelo trote do coração.
O barulho das rodas partindo seixos, o barulho das rodas esmagando a submissão. João Mendes levava a boca fechada, pois tinha medo que a coragem lhe fugisse agarrada a uma palavra mais fraca. Esmoreceu, vacilou, mas não olhou para trás. Fechou os olhos para não sentir a vertigem do arrependimento de abandonar a sua essência transtagana. Acendeu o cigarro e o ânimo e olhou para o horizonte que morria logo ali nas crinas das cavalgaduras.
(Excerto do conto Suão)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima