Portugal mudou!

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

António Sebastião

presidente da Câmara de Almodôvar

A vitória clara do PSD e do seu líder, Pedro Passos Coelho, nas eleições do passado dia 5 de Junho, pôs termo a um ciclo político caracterizado pela arrogância, pelo autoritarismo e pelo despesismo do erário público.
Os portugueses penalizaram, fortemente, os partidos da esquerda, em especial o PS, pela governação danosa e pela destruição do tecido social e empresarial e ainda seu líder, José Sócrates, juntava à sua responsabilidade pela desgraça a que conduziu o país, a capacidade de dizer uma coisa pela manhã, o seu contrário ao meio-dia e uma outra diferente à noite. Espantoso.
Também castigou o Bloco de Esquerda pela colagem descarada ao candidato socialista às últimas eleições presidenciais, Manuel Alegre, seguida de uma moção de censura ao PS que ninguém percebeu a utilidade a não ser o de um claro oportunismo político e também pelo facto de se ter alheado de que o país atravessa uma fase grave da sua história recente, onde não há lugar a sonhos quiméricos de onde o Estado não poderá continuar a dar aquilo que não tem.
O novo mapa político nacional, saído das eleições de 5 de Junho, introduziu alguns elementos de estudo interessantes para os politólogos e outros estudiosos da matéria, sendo de destacar os bons resultados obtidos pelo PSD em muitos dos concelhos do sul do país, onde, tradicionalmente, a esquerda tem liderado a intenção de voto.
Gostaria de fazer uma breve referência aos resultados do PSD no concelho de Almodôvar, onde, pela primeira vez em eleições legislativas foi a força política mais votada, contribuindo assim, de forma decisiva, para a eleição do deputado social-democrata pelo círculo eleitoral de Beja, Carlos Moedas, um baixo-alentejano de grandes qualidades técnicas e humanas, que certamente muito contribuirá para dar voz a todos aqueles que teimam em viver, orgulhosamente na nossa terra e como, muito justamente defende, um Portugal mais equilibrado, com pleno aproveitamento dos seus recursos.
Estou certo que Carlos Moedas dará um importante contributo para que isso aconteça.
Subscrevo, plenamente, a opinião de Carlos Moedas, de que a agricultura e o turismo no Alentejo poderão ser duas alavancas essenciais ao desenvolvimento, não só da região, mas, sobretudo, de Portugal.
Contudo, os tempos que se avizinham são duros.
Assim, o futuro elenco governativo, dirigido por Pedro Passos Coelho, deverá dar início, em tempo recorde, à adopção das medidas necessárias a atingir as metas da redução da despesa pública e do endividamento do Estado, acordadas entre a “troika” e o PS, e ainda terá de imprimir uma nova forma de fazer política em Portugal, de modo a devolver aos portugueses a esperança há muito perdida.
Caberá ao PSD, em especial, lançar mãos a medidas de governação equilibradas, baseadas em princípios de rigor, de responsabilidade e de justiça. Trata-se de uma tarefa enorme que exige uma análise profunda, uma preocupação com os resultados, ou seja, bom senso na avaliação e capacidade de decisão. É necessário ter conhecimentos técnicos, experiência de vida e capacidade política.
Desde logo, uma das acções próximas mais importantes de Passos Coelho será a constituição do novo Governo. As reformas são muitas e deveras importantes, mas o tempo é escasso, pelo que precisamos dos melhores. Só assim Portugal poderá aumentar a riqueza nacional, criar mais emprego e apoiar os mais necessitados.
Este também é um voto de esperança e renovação dos portugueses e deverá ser encarado como uma afirmação da nossa cidadania. Não basta deixar a tarefa de reerguer Portugal nas mãos dos políticos. É um desafio que nos responsabiliza colectivamente e que iremos vencer.
Todos somos os actores principais neste grande desígnio nacional.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima