O potencial das agro-indústrias

Quinta-feira, 11 Junho, 2015

Carlos Pinto

director do correio alentejo

Este fim-de-semana Aljustrel recebe mais uma edição da Feira do Campo Alentejano, onde em destaque vai estar a actividade agrícola no concelho e as potencialidades trazidas para os campos pela água que chega desde o Alqueva, através do Roxo. E esta é, de facto, uma matéria que deve ser encarada de forma séria por todos os actores com poder de intervenção nos territórios abrangidos pelo Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva.
A conclusão da grande barragem foi durante décadas um desiderato da região. Mas a partir do momento em que o projecto deu passos concretos para a sua concretização, através do Governo socialista de António Guterres, pouco se fez no sentido de preparar terreno para a chegada da água. Não no sentido literal da expressão, mas sim relativamente à definição de um plano estratégico que soubesse antecipar necessidades e, sobretudo, apontar potencialidades.
O que é certo é que a obra avançou e os trabalhos devem estar concluídos até final do ano. Um pouco por toda a região já são evidentes as mudanças operadas pela chegada da água, com a plantação de milhares de hectares de olival e outras culturas. Mas urge ir mais além. Que é como quem diz, “seduzir” investidores capazes de criar agro-indústria no distrito.
Só com a instalação de unidades industriais de tratamento/ transformação e de armazenamento será possível dar consequência em matéria de postos de trabalho e rendimento local ao “brutal” investimento feito pelo Estado (e pela União Europeia) no Alqueva. E nessa matéria é necessária uma intervenção directa de quem governa, direccionando novos investimentos para esta zona e criando condições (fiscais ou outras) para que eles criem postos de trabalho. Caso contrário, os campos do Alentejo produzirão com abundância mas em seu redor as vilas e aldeias continuarão vazias…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima