Magnanimidade

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Vítor Encarnação

Estranha palavra a do título deste texto. Estranha, mas bela, aveludada, merecedora de ser ensinada diariamente como quem respira. Devia ser um compromisso familiar, prática de serões, herança genética, conversa que acompanhasse o crescimento de qualquer indivíduo, leitura de cabeceira, cabeça descansada na almofada, talvez até disciplina de escola.
O exercício deste substantivo difícil de pronunciar tornaria incomparavelmente melhor a vida em sociedade.
Vamos então à procura da palavra para a podermos decompor e perceber melhor a sua substância. Na página mil e trinta e quatro do dicionário da língua portuguesa, oitava edição, Porto Editora, lê-se: magnanimidade s.f. qualidade de magnânimo; grandeza de alma; generosidade; clemência; acto de pessoa magnânima.
De todos os seus significados escolho a grandeza de alma por me parecer ser o que melhor reflecte a boa postura de um homem ou de uma mulher na sua relação com os outros: compromisso com a verdade, aceitação da diferença, transparência, respeito pelos valores, respeito pela memória, partilha, desprendimento, crítica construtiva, solidariedade, compreensão, um abraço, um louvor. Coisas básicas, suportes de vida, que raramente praticamos e apenas apregoamos como Frei Tomás.
Não se trata só de acreditar em Deus, benzer-se e dar uma esmola aos pobrezinhos. Não se trata só de debitarmos umas teorias sobre filosofia, ética e boa educação. Não, isso não chega. Essa postura é falsa como Judas, é uma pequenez de espírito, um verniz para parecer que somos pessoas de bem.
Por vezes, por detrás dessa aparência impoluta estão conluios, caciquismo e cães raivosos. Gente que não sabe perder nem tampouco ganhar, gente alarve que vê as atitudes dos outros à luz da sua própria mesquinhez, porque não imagina que há outras formas de vida acima da lama e da maledicência.
Ser magnânimo não é a defesa do nosso quintal, a nossa verdade absoluta, a nossa família, os que votam em nós, os que nos dão palmadinhas nas costas, os que abanam a cabeça, os que se vergam às nossas ideias e assumem formas invertebradas de capachos a sorrir. Ser magnânimo não é ter sede de vingança, aproveitar a conjuntura mais favorável, procurar o interesse pessoal, resolver a vidinha.
Ser magnânimo é uma questão de estrutura, de abrangência, de horizonte límpido, de rumo, de essência, de nobreza e dignidade. E mais, a magnanimidade até sabe aceitar a hipocrisia, esse substantivo podre, e o cinismo, esse substantivo assanhado, e perdoa-os porque eles não sabem o que fazem.

O uso dos substantivos é uma questão de aprendizagem e de aplicação, mas como tudo na vida nem sempre as coisas mais fáceis são as mais correctas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima