Evolução ou Involução?

Quinta-feira, 6 Dezembro, 2018

Napoleão Mira

empresário

Esta coisa de termos a possibilidade de assistirmos à transformação dos novos hábitos civilizacionais, faz com que sejamos espectadores privilegiados da revolução que invadiu os nossos dias.
Evoluímos a uma velocidade que, a meu ver, estaria fora de qualquer cogitação ou predição do mais conceituado dos futurólogos da nossa praça.
No espaço temporal que decorre entre duas gerações, geraram-se mudanças comportamentais que me fazem duvidar se estas serão benéficas ou maléficas para o grande objectivo da vida de cada um. Ou seja: se com elas, somos mais ou menos felizes.
Neste exercício, que me preocupa, reparo que cada vez temos menos tempo para nós, para os outros, ou mesmo para a família. Que a vida se faz um corre-corre. Numa lufa-lufa. Que passemos pelo tempo, sem darmos pelo tempo passar. E… a isto eu chamo involução. Estamos rodeados, ou mesmo subjugados, ao advento das novas tecnologias, sem as quais já não sabemos viver; mesmo sabendo que estas não nos trazem mais qualidade de vida.
Em conversa com um amigo, perguntei-lhe porque não atendia o telemóvel? Respondeu-me que estava a fazer um detox da internet, telefone, sms, redes sociais, enfim, desse maravilhoso mundo novo que lhe ocupava parte substancial do dia e que, ponderando créditos e débitos, verificados os prós e contras, decidira dedicar essas horas de rentabilidade duvidosa a si mesmo, a procurar ser feliz.
Aplaudi-lhe mentalmente a coragem e regressei a casa com este pensamento a invadir-me o cérebro.
Nessa viagem de regresso dei comigo a fazer exercícios comparativos. A espremer o sumo desses supostos benefícios da moderna tecnologia e, para além do espanto que me causa o engenho humano, fiquei a matutar nessas surpreendentes capacidades inventivas, mas, ao mesmo tempo, na falta de habilidade humana para procurarmos sermos felizes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima