Esta região tem de ser para jovens

Quinta-feira, 22 Janeiro, 2015

Carlos Pinto

director do correio alentejo

É um princípio básico: sem pessoas não há empresas ou negócios rentáveis. Sem pessoas não se mantêm serviços públicos a funcionar com qualidade. Sem pessoas não se investe em novos equipamentos para a educação ou saúde. Sem pessoas não se avança com a requalificação e construção de estradas e outras acessibilidades. Sem pessoas o futuro deixa poucas incógnitas… pois este não pode existir!
O despovoamento, associado ao acelerado envelhecimento, é precisamente o grande problema do Baixo Alentejo. Ano após ano a região vai perdendo população e o exemplo está na cidade de Beja, que é capital de distrito mas onde todos os seus habitantes não chegariam para encher sequer metade do Estádio da Luz! E no seu todo, o distrito de Beja consegue ter menos habitantes que cidades como Amadora, Guimarães ou Vila Nova de Gaia.
Todos estes números falam por si e exigem uma reflexão profunda. E rápida, pois o tempo urge. É que a necessidade de “repovoar” o Baixo Alentejo tem de ser uma prioridade para todos, desde o simples cidadão a empresários, passando obrigatoriamente pelos eleitos políticos. Porque esta região também tem de ser (e ter) jovens.
Daí que medidas como a anunciada na passada semana pela Câmara Municipal de Almodôvar (venda de lotes para habitação a jovens – ver notícia na página 4) ajudam. Mas é preciso ir mais além. E nesse campo as grandes responsabilidade estão sobre os ombros de quem governa o país, que não pode olhar apenas de frente para o mar, deixando para trás o interior. E seja com políticas fiscais ou imposições legais, algo tem de mudar para trazer a juventude de regresso ao Baixo Alentejo. Mal de nós se assim não for…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima