Equívocos

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Luís Dargent

dirigente do CDS

O primeiro dos grandes equívocos que nos ajudou a chegar a este estado de coisas, e que se foi instalando na sociedade como uma verdade universal, foi o mito de que com inteligência e criatividade tudo se pode conseguir sem nenhum, ou com um mínimo, de trabalho. Esta ideia foi difundida aos quatro ventos em todo o sistema educativo, desde o básico ao superior, em todo o mundo empresarial, estendendo-se a patrões e empregados, e até a todos os agentes culturais quase sem excepção. O maior engano reside em que a inteligência e a criatividade necessitam de doses massivas de trabalho, tal como a locomotiva a vapor necessita de um enorme vagão de carvão, que quanto maior, mais longe e rápido se chega. Nós políticos infelizmente fomos vítimas capitais de tudo isto, deixando-nos infectar e disseminando este logro, oferecendo políticas que, sob um invólucro enganador de inteligência e criatividade, revelam-se sem a menor adesividade à realidade ou ao progresso dos cidadãos.
O segundo dos equívocos foi a substituição de uma virtude maior (a generosidade) por duas menores (a caridade e a solidariedade) de forma a adormecer as nossas consciências e tranquilizar os nossos fracos espíritos. Passámos de louvar os benefícios da caridade, que é dar o que temos em excesso ou não nos faz falta, para a solidariedade, que é partilhar o que é dos outros, ou na melhor das hipóteses de todos, sem passar por esse valor superior que é a generosidade, consistindo em dar o que é nosso e nos faz falta e “dói” partilhar.
Assim chegámos ao Estado Social, ao qual tudo exigimos e para o qual temos muito pouco ou nada para dar.
Lembro-me de uma história em que se entrevistava um indignado daqueles de boina basca, camisa do Che e ar pouco asseado como mandam os cânones, acerca da sua disponibilidade para partilhar alguns bens com os seus camaradas. A resposta foi imediata e afirmativa às seguintes questões:
– Se tivesse duas casas, daria uma?
– Claro que sim, camarada!
– E dois automóveis?
– Pois claro, não há dúvida, ao primeiro que me aparecesse!
– Se tivesse duas televisões?
– Isso nem se fala!
– Então e duas camisas?
Silêncio total, e olhar no chão…
– Então camarada, dava a casa, o automóvel e a televisão e hesitava na camisa?
– É que camisas tenho duas…
Se alguém acha isto exagerado, aconselho o visionamento do documentário sobre a ocupação da Torre Bela e a história da enxada ou sacho ou lá o que era.
A todos os bejenses desejo um excelente Dia da Espiga ou da Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima