A (in)coerência

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Paulo Arsénio

eleito pelo PS - AM Beja

Na última Assembleia Municipal de Beja, a CDU, quando fez a sua declaração de voto relativamente ao seu voto de abstenção em sede de orçamento municipal, referiu que se tratava de um mau orçamento mas que o viabilizava para evitar desculpas por parte da actual maioria camarária na sua acção ao longo de 2011.
Não vou entrar em pormenores enfadonhos e maçadores de carácter mais técnico sobre o orçamento municipal de Beja para 2011. Pode estar, é certo, ainda sobre dimensionado, mas aponta na direcção correcta com uma redução de 7,8% face ao orçamento do ano anterior. Um corte mais significativo de uma só vez poderia comprometer e mesmo bloquear a acção de alguns serviços da Câmara indispensáveis em termos públicos.
Caricato é que a CDU, mesmo sabendo que não havia grande margem de manobra em matéria de opções orçamentais, se tenha abstido depois de durante a sessão ter falado tão mal do orçamento. E foi efectivamente a CDU que permitiu a aprovação do orçamento porque, apesar de ter ficado em segundo lugar na votação para a Assembleia Municipal, dispõe de maioria absoluta naquele órgão. Falou tão mal e absteve-se. Politiquices, como diria o cidadão comum.
Ainda mais caricata é a posição da CDU, porque momentos antes apresentara uma moção sobre o Orçamento Geral do Estado em que, implicitamente, e depois no debate objectivamente, culpava o PSD por em conjunto com o PS ter aprovado a proposta de lei de orçamento apresentada pelo Governo.
Uma hora depois, a CDU fazia exactamente o mesmo que criticara no PSD, permitindo a aprovação do orçamento municipal de Beja.
Vamos ser claros: ambos, PSD a nível nacional e CDU a nível municipal, sabem que não há alternativa credível aos dois documentos apresentados e que contribuíram decisivamente para aprovar. O mundo em que vivemos não é necessariamente aquele em que gostaríamos de viver e que está condicionado com um conjunto de itens de carácter económico e financeiro.
E a crise que estourou em finais de 2007, e que tanto mal tem causado em todo o mundo, trouxe um aspecto à nossa reflexão: Estado Central, autarquias, empresas e famílias estavam em larga medida a viver acima das reais possibilidades.
Por isso, e para que não entrem em 2011 com um penoso sentimento de culpa, tendo viabilizado orçamentos que não queriam manifestamente viabilizar, desejando imolar-se pelo fogo ou mutilar-se politicamente, quero dizer que quer o PSD na Assembleia da República, quer a CDU na Assembleia Municipal de Beja, tomaram as decisões mais acertadas, alicerçadas na responsabilidade, e que devem por isso estar bem com as respectivas consciências. Outro sentido de voto, de uns e de outros, teria sido pura política de terra queimada.
Votos de um bom ano de 2011.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima