A afabilidade nipónica

Quinta-feira, 6 Fevereiro, 2020

Napoleão Mira

empresário

À frequente pergunta sobre o que mais me surpreendeu por terras do sol nascente, respondo sem hesitar: as pessoas!
Na verdade, o Japão foi mais do que uma agradável surpresa. Foi sim a constatação daquilo que suspeitava. Um país modelar onde em pouco tempo muito aprendi, especialmente no que à civilidade diz respeito.
Tenho a memória carregada de exemplos com que vos poderia brindar. Com que vos poderia espantar. Com que vos abriria a mente e o apetite de conhecerem um país funcional. E que funciona a sério, sem pruídos nem alaridos.
Hoje fico-me pela genuína afabilidade da gente nipónica.
Chegados a Tóquio (cidade onde cabem quatro Portugais ou, se preferirem, 40 Lisboas!), uma pessoa, mesmo que não queira, sente-se minúscula e perdida.
À saída de uma estação de metro para procurar outra, lá estávamos nós: de mapa na mão, cada um dando a sua opinião. Nisto, somos abeirados por um simpático japonês, homem dos seus 60 anos e sorriso franco que, intrometendo-se na nossa conversa, perguntou se podia ajudar, num inglês com falta de “erres” próprio das gentes asiáticas.
Eles surpreendidos (eu desconfiado da fartura!), apontámos no mapa a estação ao amável nipónico que, fazendo sinal de que sabia bem onde era, em vez de nos indicar as direções, fez-nos sinal para o seguirmos.
Fomos atrás do homem em passo estugado, descendo escadas, percorrendo túneis, mudando direções, atravessando multidões até que, passados uns bons 10 a 15 minutos, chegámos a umas cancelas electrónicas. Era a nossa passagem para a outra margem. Ou seja: para a estação devida. Ensinou-nos a tirar os bilhetes nas máquinas electrónicas e, quando fazia menção de partir, perguntei-lhe se esta não era a sua direção. Riu-se e disse-me que não. Que a sua saída ficava lá onde nos encontrara. Sorriu, acenou e desejou-nos boa estadia no Japão. E eu fiquei pela primeira vez boquiaberto com a atitude desprendida deste afável japonês.
Cético como sou, atribuí à sorte aquele generoso contributo do esforçado niponense.
De entre dezenas de situações que podia aqui relatar, a esta junto mais três.
A segunda.
Abeirei-me de um orgulhoso funcionário do metro pedindo-lhe, delicadamente, o favor de me indicar certa direção. O homem, solícito e educado, num entendível inglês, apontou-me as coordenadas de como chegar onde pretendia. No final, perguntou-nos quantos éramos. Respondi que éramos quatro. Sacou da sua carteira e dela escolheu quatro origamis (guardo o meu religiosamente!), e disse-me que era um presente seu. Que era para nos dar sorte. Ainda fez questão de nos acompanhar até ao fundo das escadas para se certificar que tomávamos a direção certa naquela encruzilhada de túneis. De cada vez que olhava para trás lá estava ele. Qual guardião dos túneis sem fim, sorrindo e acenando até o perdermos de vista. E eu fiquei a pensar que isto já era mais que sorte. Era o esmero da educação.
A terceira.
Chegados a Kanazawa fomos despejados já noite cerrada na paragem por nós indicada ao motorista. Chovia e fazia um frio de rachar. Mais uma vez perdidos, resolvi interpelar uma jovem que recolhia a sua bicicleta para se fazer ao caminho.
Pedi-lhe indicações do hotel onde iriamos pernoitar. Sacou do seu smartphone, verificou o caminho e perguntou num inglês perfeito (reparem!): “Não se importam de me acompanhar?”
Voltou a colocar o cadeado na bicicleta que trocou pelo guarda-chuva e lá fomos por ruas, becos e travessas atrás da moça que nos conduziu até ao nosso local de pernoita. Despediu-se toda sorridente, assim como que se a sorte de nos encontrar e poder ajudar tivesse sido sua.
E eu, já sem queixo para segurar, despedi-me com a certeza de que estava na presença do povo mais prestável com que, até agora, me cruzara.
A quarta.
Entrámos num 7/11, uma dessas lojas de ocasião, para beber um café e nos aquecermos, pois fazia um daqueles frios que nem vos conto nem vos digo.
Nevara mesmo na noite anterior. Perguntámos à senhora da caixa onde era o castelo que pretendíamos visitar.
Esta, curiosamente, nem inglês arranhava e, de sorriso escancarado e a palma da mão em sinal de espera disse: “Moment”.
Foi lá dentro e nós ficamos a pensar que teria ido à procura de alguém com quem pudéssemos comunicar.
Nisto, vemo-la chegar, com o mesmo sorriso, mas desta feita munida de casaco e guarda-chuva e o sinal de que devíamos ir atrás dela.
Mudos de espanto, fomos atrás da mulher que insistia em falar japonês com a Natália que apenas sorria e acenava que sim com a cabeça.
Passados uns bons 10 minutos chegamos a uma avenida larga, lá ao fundo os telhados do castelo e a boa da moça toda contente por nos haver ajudado.
Isto depois de largar o seu trabalho, apanhar um frio quase glaciar e uma molha daquelas tocadas a vento.
Fico agradecido de ter recebido desta gente estas e outras lições de humildade, de generosidade ou de civilidade que tudo farei por preservar.
Fico grato de as ter vivido para as poder partilhar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima