25 de abril de 1974

Quinta-feira, 27 Abril, 2017

Vítor Encarnação

No dia 25 Abril de 1974, quinta-feira, o céu estava pouco nublado, o vento era fraco ou moderado de noroeste, eu vivia em Castro Verde, tinha nove anos e andava na 4ª classe.
Foi uma manhã como as outras, ter-me-ei levantado um pouco depois das oito, não tenho dúvidas de que abracei o perdigueiro Piruças, o meu primeiro amor canino, de certeza que bebi café com leite, talvez tenha comido meia sandes de fiambre, tudo à pressa que era preciso correr até à escola e dar antes uns pontapés na bola ou jogar ao berlinde com três covas antes de começarmos as lições.
Os meus tios não ouviam rádio de manhã e portanto ninguém lá em casa ficou a saber que havia uma revolução. E mesmo que tivessem ouvido, o meu tio não teria deixado de ir para a oficina e a minha tia teria feito as camas e teria ido ao pão.
Nessa manhã, horas depois da madrugada esperada pela poetisa, nós jogámos mais do que o costume. Eram já dez e meia quando o professor nos mandou entrar.
O meu professor chamava-se Serrano e eu gostava muito dele. Nesse dia eu ainda não sabia que gostava assim tanto dele, foi o futuro que me disse que ele foi um dos homens mais importantes da minha vida.
Entrámos para a sala da quarta classe, só rapazes, claro, e quando já estávamos sentados de frente para o crucifixo, para o mapa de Portugal e para a fotografia do Marcelo Caetano, o professor da terceira classe mais a terceira classe em peso entraram na nossa sala. Algo de absolutamente estranho se passava. O professor Serrano, de quem eu gostava muito, e de quem fiquei a gostar para sempre, e o professor de quem eu não gostava, ainda sem saber que o odiava tanto, falavam sobre coisas de que nós nunca tínhamos ouvido falar. Só sabíamos que era em Lisboa. Mas não fazia mal, assim não estávamos a fazer nenhum ditado, ou uma redacção, ou a aprender aritmética.
De repente, lá do fundo da sala, talvez emergindo da noite e do silêncio e livre a habitar a substância do tempo, o meu bom amigo Marinho Pintor, que sabia fazer fintas maravilhosas com a bola, talvez por ter já ouvido algum zunzum lá em casa, disse que o Marcelo Caetano estava lixado. O professor de quem eu não gostava, e fiquei a odiar para sempre, dirigiu-se ao Marinho Pintor, levantou a mão gorda e deu-lhe uma chapada tão forte que lhe rebentou o lábio.
Na nossa sala, derramou-se sangue em nome da liberdade. O Marinho Pintor, de quem nenhum político fala, foi o nosso herói, o nosso capitão de Abril. Se eu pudesse punha-o nos compêndios de História.
O professor Serrano disse ao outro professor para ter calma, mas o professor, com sangue do Marinho Pintor na mão gorda, não teve calma.
A terceira classe ficou sem professor. O professor Serrano não nos deixou.
Os dias seguintes foram todos inteiros e limpos. Uma gaivota voava, voava, asas de vento, coração de mar, como ela, somos livres, somos livres de voar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima