Cinco municípios de Portalegre reduziram factura energética

Cinco municípios de Portalegre

Cinco municípios do distrito de Portalegre reduziram, nos últimos meses, as facturas energéticas em cerca de “60%”, depois de aderirem ao projeto ZEroCO2, iniciativa promovida pela Comissão Europeia.
Em declarações à Agência Lusa, Tiago Gaio, da Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo (AreanaTejo), entidade parceira do projecto, mostra-se “satisfeito” com os resultados obtidos com o plano de poupança energética, que termina no final deste mês.
Aderiram ao projecto, que conta também com a participação da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA), os municípios de Alter do Chão, Avis, Gavião, Marvão e Sousel.
De acordo com Tiago Gaio, o projeto ZEroCO2 é financiado em 75 por cento pelo Programa de Cooperação Transnacional do Espaço Mediterrâneo (MED) da Comissão Europeia, envolvendo parceiros públicos e privados de vários países, tais como Grécia, Espanha, Itália e Portugal.
No âmbito do projecto, os municípios aderiram ao “Pacto de Autarcas”, iniciativa também promovida pela Comissão Europeia e que tem como objectivo atingir as metas da estratégia 20/20/20 para 2020, estando em curso vários planos de acção para o desenvolvimento de energias sustentáveis.
“Uma outra medida também importante foi a implementação de sistemas de energias renováveis que permitam atingir parte dos resultados, destacando-se a instalação de sete sistemas solares e de um de biomassa em oito edifícios dos municípios envolvidos”, explica.
De acordo com Tiago Gaio, ao implementarem as medidas, os municípios alentejanos investiram cerca de “200 mil euros”, sendo este investimento “inerente” à redução do consumo de energia fóssil superior a “80%”.
“Os municípios reduziram a sua factura energética nestes oito edifícios em aproximadamente 60% com a implementação deste projecto de energias renováveis, o que resulta, mais ou menos, numa poupança anual na ordem dos 45 mil euros”, indica.
Para Tiago Gaio, o período de retorno do investimento será de aproximadamente “quatro anos e meio”, mas, com a comparticipação do programa comunitário, vai sofrer uma redução “significativa”.
Em declarações à Lusa, o presidente da CIMAA, Armando Varela, diz esperar que, no futuro, o distrito de Portalegre venha a “diminuir ainda mais a factura energética”, acreditando que até 2020 sejam investidos cerca de “100 milhões de euros” naquele território para atingir estes objectivos.
O presidente da CIMAA espera ainda que os restantes 10 municípios do distrito de Portalegre venham a aderir a este tipo de iniciativa, com o objectivo de “garantir” os fundos comunitários para que, até 2020, os investimentos a nível de eficiência energética possam atingir os 100 milhões de euros.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima