Saúde: Aljustrel, Beja, Mértola e Grândola vão ter unidades móveis

Saúde: Aljustrel

Serão cinco e todas terão o mesmo propósito: aproximar a prestação de cuidados de saúde das populações com um carácter contínuo e de qualidade, reduzindo assim as assimetrias ao nível da sua acessibilidade. É este, em síntese, o grande objectivo da candidatura conjunta apresentada pelos municípios de Aljustrel, Beja, Mértola, Grândola e Coruche e que visa dotar estes concelhos de uma unidade móvel de saúde.
Avaliada em pouco mais de 380 mil euros, a candidatura surge no âmbito do InAlentejo – Programa Operacional do Alentejo 2007-2013 e tem na Câmara de Aljustrel a “chefe de fila”. Aos cinco municípios juntam-se ainda a Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e a Administração Regional de Saúde do Alentejo, numa parceria já protocolada e que pretende, acima de tudo, garantir à população destes concelhos “o acesso à prestação de cuidados de saúde” e o cumprimento do Plano Nacional de Saúde.
“Está aqui uma candidatura bastante bondosa e que me parece bastante importante para que estes municípios possam trabalhar na saúde e na área social junto das suas populações, dando-lhes uma garantia de melhor qualidade de vida”, sublinha ao “CA” o presidente da autarquia promotora do projecto, Nelson Brito.

Prevenção, manutenção, sensibilização
Na prática, esta candidatura pretende que cada um dos concelhos envolvidos passe a dispor, ainda neste ano de 2011, de uma unidade móvel de saúde (no caso de Mértola será a segunda), que no terreno irá actuar numa lógica de “prevenção, manutenção e sensibilização”, promovendo acções descentralizadas no respectivo território de intervenção.
O intuito do projecto é suprir as necessidades detectadas ao nível da prestação de cuidados de saúde e permitir aos municípios terem uma intervenção “mais activa” na saúde das suas populações, sendo que entre os objectivos específicos da candidatura estão a intenção de prestar cuidados de saúde e de serviço social a pessoas em meios isolados ou com dificuldades de acesso aos serviços sociais e de saúde, assim como assegurar o acesso gratuito e facilitado a cuidados de prevenção e controlo da doença, reduzir danos e riscos em saúde pública ou prestar apoio social, afectivo e psicológico.
A unidade móvel de saúde mais “cara” será a de Mértola, que custará 82.900 euros, enquanto que Aljustrel, Beja e Grândola vão gastar 76.750 euros na sua viatura e Coruche apenas 67.249,28 euros.
Cada uma das cinco unidades móveis de saúde será equipada com meios que lhe permitam realizar exames complementares de diagnóstico (análises clínicas, electrocardiogramas, exames respiratórios ou de visão, entre outros), além de tratamentos de enfermagem ou rastreios preventórios, contando para tal com técnicos do Centro de Saúde do respectivo concelho.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima