Primeira comunidade de energia renovável na área agrícola nasce em Aljustrel

Um projeto-piloto para a produção de energias renováveis está a ser desenvolvido no perímetro de rega do Roxo, no concelho de Aljustrel, no sentido de reduzir os gastos das explorações agrícolas com eletricidade.

O projeto para a criação da primeira Comunidade de Energia Renovável na área agrícola em Portugal junta a Associação de Beneficiários do Roxo (ABR), com sede no concelho alentejano, e a Federação Nacional de Regantes de Portugal (Fenareg).

Segundo adianta ao “CA” o presidente da ABR, António Parreira, o objetivo do projeto é mitigar os custos energéticos associados à rega, que neste momento já ronda “os 500 euros por megawatt”, por oposição “aos 60 euros por megawatt” registados em 2021.

“Não só os preços da energia dispararam, como corremos o risco de ela vir a faltar”, alerta.

Nesse sentido, o projeto-piloto que está a ser desenvolvido no aproveitamento hidroagrícola do Roxo, que beneficia mais de 8.500 hectares nos concelhos de Aljustrel, Ferreira do Alentejo e Santiago do Cacém, passa pela “ampliação” da central fotovoltaica que a associação instalou em 2018, para bombear água da barragem.

“Neste momento, o que temos são painéis seguidores, cujo número vamos aumentar. E vamos instalar painéis fixos e ainda painéis sobre o canal condutor principal” do aproveitamento, “o que será inovador”, explica António Parreira.

O projeto prevê igualmente “a construção de uma [central] mini-hídrica para a água à saída da barragem”, cujo projeto de execução está em elaboração, adianta.

“Não só os preços da energia dispararam, como corremos o risco de ela vir a faltar”, alerta o presidente da ABRoxo, António Parreira.

De acordo com António Parreira, o investimento na ampliação da central fotovoltaica deve ascender a 300 mil euros e deverá estar concretizado “dentro de um ano”.

Por sua vez, a construção da central mini-hídrica está avaliada em cerca de “dois milhões de euros” e quando o projeto de execução “estiver pronto” será lançado o concurso para a empreitada.

Para António Parreira, com a concretização destes dois investimentos a associação poderá vir produzir energia “durante o dia”, com a central fotovoltaica, e “durante a noite” com a central mini-hídrica.

“Seremos completamente autossuficientes em termos energéticos, ou seja, forneceremos água e energia”, diz.

O projeto tem ainda a mais-valia de, nos períodos em que há excesso de energia produzida, sobretudo na primavera a verão, esta poder ser vendida a “outros utilizadores” e não injetada “na rede a um preço ridículo.

“Já temos acordo com uma empresa e outro parceiro poderá ser a câmara municipal. Ou seja, vamos vender energia a preços que, para nós, serão vantajosos, pois serão superiores àquilo que recebemos por entregar na rede, enquanto os outros parceiros pagarão um preço inferior” ao praticado pelos fornecedores normais, conclui António Parreira.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima