Paulo Arsénio garante que “Beja está a ter boa dinâmica empresarial”

Paulo Arsénio garante que “Beja

Quase a cumprir dois anos de mandato, o presidente da Câmara de Beja apresenta ao “CA” o balanço do trabalho desenvolvido e garante que há ainda muito por fazer até 2021 para que Beja seja, efectivamente, o “centro do Sul”. “Quer do ponto de vista cultural, do ponto de vista económico ou do ponto de vista da importância estratégica de Beja, estamos a tentar reposicionar a cidade numa importância maior do que aquela que tinha antes. E, nesse sentido, vemos que a dinâmica empresarial que Beja está a ter é muito boa, o que nos permite uma grande dose de optimismo”, vinca Paulo Arsénio.

Volvidos dois anos após a vitória do PS nas eleições Autárquicas, Beja está mais próxima de ser o “centro do Sul”, como ambicionam?
Entendemos que sim! Quer do ponto de vista cultural, do ponto de vista económico ou do ponto de vista da importância estratégica de Beja, estamos a tentar reposicionar a cidade numa importância maior do que aquela que tinha antes. E, nesse sentido, vemos que a dinâmica empresarial que Beja está a ter é muito boa, o que nos permite uma grande dose de optimismo. Também as actividades culturais que temos promovido têm chamado à cidade muitos visitantes, assim como a promoção que temos feito da própria cidade. A par disto, há a recuperação do património que temos levado a cabo nestes dois anos – que é algo fundamental na cidade de Beja, que é uma cidade muito antiga –, a recuperação dos caminhos e das estradas municipais – que tem sido uma tarefa muito árdua, muito difícil e que estamos longe de concluir, mas que começámos logo no primeiro ano de mandato a fomentar –, ou a mobilidade em termos de transportes públicos que estamos a conseguir para as pessoas do concelho, aplicando o PART e reduzindo substancialmente o preço dos passes mensais. Portanto, deste ponto de vista – das acessibilidades, dos caminhos, da recuperação do património, da instalação industrial e da importância cultural da cidade de Beja – julgo que temos seguido o caminho correcto para que, a médio prazo, possamos também colher os frutos da nossa acção. Estamos satisfeitos com aquilo que temos vindo a conseguir, até atendendo aos meios financeiros e humanos que temos. Se tivéssemos outros recursos humanos poderíamos, eventualmente, conseguir mais.

Financeiramente, qual a situação actual do Município?
Temos uma situação que está sempre economicamente nos limites, muito apertada. Temos de ter um apertado controlo orçamental, de forma a não entrarmos rapidamente “no vermelho”. Somos uma câmara municipal com um número significativo de trabalhadores, quase 500, e até temos alguns concursos abertos para [assistentes] operacionais em áreas que nos fazem falta. Mas não podemos esquecer que temos edifícios municipais muitíssimo degradados, casos do Mercado, das Piscinas, da Casa da Cultura, da própria Câmara Municipal, e um conjunto de infra-estruturas que temos estado a recuperar, como o Jardim Público. Temos também um parque automóvel muito envelhecido, com uma frota com uma média de idade de 19 anos, que precisa também de uma renovação periódica e que já iniciámos com a aquisição de algumas viaturas – sendo que no mandato anterior não se comprou rigorosamente nenhuma viatura. Portanto, temos de ter sempre alguma atenção, que tem de ser compatível com a modernização da Câmara Municipal nas suas infra-estruturas, nas viaturas e nos recursos humanos.

Agora que, passe a expressão, já conhece “os cantos à casa”, a segunda metade do mandato é para fazer obra?
Já temos posto muitas ideias em execução, nomeadamente na reabilitação do património e de caminhos municipais. Temos feito um esforço grande – e que é notório – no envolvimento da população e na participação da cidade naquilo que queremos fazer para Beja, e temos lançado um conjunto de candidaturas importantes para que tenhamos financiamentos de 75 e 85% para obras estruturantes. Agora os primeiros dois anos têm sido difíceis, até por uma questão de organização interna, que não escondemos. Neste momento, estamos a trabalhar com um presidente e três vereadores e apenas dois chefes de divisão. Por isso a reestruturação orgânica que entrou em vigor a 1 de Junho é absolutamente decisiva, sendo que decorrem os concursos para nove chefias de divisão de segundo grau. Quando tivermos os novos chefes de divisão, temos a percepção que a Câmara poderá funcionar ainda melhor do que actualmente.

Para estes dois próximos anos, que projectos vão avançar e poderão ser marcantes para o concelho?
A nossa linha para estes quatro anos será sempre a mesma: recuperar, valorizar e promover! Aquilo que anunciámos há dois anos é aquilo que se mantém firme no nosso espírito e julgamos que não há espaço para muito mais.

Como assim?
Quando dizemos recuperar, valorizar e promover o concelho de Beja dizemos, por exemplo, dar sequência à candidatura recentemente aprovada de remodelação do Museu Regional Rainha D. Leonor. Passa por um processo muito difícil que temos entre mãos – em que a Câmara foi colocada em tribunal por alguns dos operadores, com toda a legitimidade que lhes assiste – que é a modernização do Mercado Municipal. Não é uma questão de teimosia! O Mercado Municipal atingiu um tal estado de degradação que é muito importante que alguém faça alguma coisa. E esse alguém tem de ser a Câmara Municipal de Beja, não pode ser outra entidade. Queremos valorizar o nosso Mercado Municipal, queremos que seja de novo um grande centro comercial tradicional no centro da cidade, e temos meios para o fazer, assim nos venha a Justiça dar razão. Falamos ainda da recuperação das Piscinas Municipais, pois é também emblemático para nós podermos ter umas piscinas municipais mais funcionais, reabilitadas, que seja um equipamento de excelência. Falamos da continuação da recuperação das estradas municipais e dos caminhos rurais. Nunca ninguém fez em tão pouco tempo a recuperação da quantidade de quilómetros que estamos a fazer. E o que dizemos é que se no passado essa manutenção tivesse sido feita como a estamos a fazer, hoje as necessidades do concelho seriam muito escassas e assim continuam a ser imensas. Portanto, este é o caminho que queremos continuar a seguir. Ou seja, não vamos inventar a pólvora nos últimos dois anos nem tirar nenhum coelho da cartola. Mas vamos continuar a afirmar Beja com iniciativas como o Festival B e vamos ter uma cidade dinâmica e activa, sobretudo do ponto de vista empresarial. Isso é muito importante, assim como é importante que a HiFly/MESA estabeleça o seu primeiro hangar em Beja e tenha cá 150 pessoas a trabalhar. E é importante que as 21 empresas que se vão instalar na primeira fase da ZAE Norte [ver notícia ao lado] comecem a estabelecer os seus negócios. E já agora, é importante que o futuro Governo da República dê um sinal quanto às acessibilidades, nomeadamente quanto à ferrovia e à rodovia.

Em que medida essa questão das acessibilidades condicionam a dinâmica empresarial da cidade?
Sobretudo a questão da acessibilidade rodoviária, pois a ferroviária é mais para passageiros e menos para negócios. É absolutamente importante que haja uma acessibilidade rodoviária em boas condições a Beja. Neste momento, no troço Beja-Beringel, a acessibilidade rodoviária é muito deficiente e estamos a preparar uma exposição exaustiva sobre a mesma ao Governo, seja este ou outro. São 12 quilómetros muito maus… E depois há uma condicionante muito forte que tem de ser ultrapassada em breve e que as empresas da região se queixam: trata-se da ponte de Santa Margarida do Sado, que é muito estreita.

Condicionantes à parte, está satisfeito com a dinâmica económica que o concelho tem vindo a revelar?
Admito que tem superado um pouco as minhas expectativas. Não seria expectável que por mudar o executivo da Câmara de Beja e nós entrarmos houvesse uma bolha que transformasse Beja num grande centro industrial. As coisas não se fazem assim, fazem-se com a confiança progressiva que os agentes vão adquirindo nos políticos que estão à frente de cada uma das autarquias e na confiança que essas entidades políticas transmitem aos empresários. E nós temos tido reuniões muito interessantes, com pessoas que saem daqui satisfeitas por um motivo – quando uma empresa nos consulta dizemos claramente quais são os pontos fracos e fortes do Município, aquilo com que podem ou não contar. As pessoas sentem que são tratadas com muita sinceridade e cortesia, de forma a que possam decidir em consciência para onde querem ir.

De momento, entre o projecto da MESA, o futuro hospital privado e a nova ZAE, há intenções de investimento privado no concelho na ordem dos 100 milhões de euros. É um número significativo, não é?
É de facto um número relevante… E no caso da MESA, tenho que destacar o facto de todas as empresas que têm trabalhado, quer na terraplanagem quer na edificação do hangar, serem da região, o que é absolutamente extraordinário. Quer dizer que esse investimento acaba por ter retorno para trabalhadores da região.

Entrevista publicada na edição de 27 de Setembro do "Correio Alentejo"

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima