O “Brexit” vistos pelos ingleses que vivem no Baixo Alentejo

O “Brexit” vistos pelos ingleses

Segurando uma chávena de café forte, ainda com o dia envolto em neblina, Peter Knight não é nada brando nas palavras. “Isto é uma loucura”, diz este inglês de 58 anos sobre o “Brexit”, alcunha dada ao processo de saída do Reino Unido da União Europeia, concretizado no passado dia 31 de Janeiro, depois de três longos anos de avanços e recuos.
Desde essa data a Europa unida passou de 28 a 27 países, num processo que aconteceu pela primeira vez desde que em 1957 foram criadas a Comunidade Económica Europeia e a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço. Mas este é um “divórcio” que está longe de ser consensual entre os cidadãos britânicos, seja em Londres seja no Baixo Alentejo.
Para Peter Knight, empresário ligado ao sector agro-industrial e que está no concelho desde 1983, o “Brexit” é uma “loucura” que, na sua opinião, pode ser justificada em dois planos: “o medo que eles [ingleses] têm de ver o país ‘inundado’ com imigrantes e o desperdício de dinheiro” associado à União Europeia.
“É difícil que qualquer pessoa da Europa tenha o mesmo pensamento de uma pessoa que vive numa ilha, em que para de lá sair tem de apanhar um barco ou um avião. É uma mentalidade completamente diferente! E esta coisa do ‘Brexit’ foi claramente influenciada pelo voto das pessoas com mais de 45 anos, que temem os imigrantes e essas coisas”, afirma este inglês nascido em Warwick, no centro, esperando que o “Brexit” acabe por ser “uma chamada de atenção” para Bruxelas.
Opinião semelhante tem Susan Fletcher, 66 anos, natural de Southampton e radicada no concelho de Ourique há 22 anos. “Não tenho palavras em português para descrever esta situação… É terrível! É terrível para Inglaterra e é incompreensível… É muito triste, sem dúvida”, diz de voz embargada.
Para Susan, o “Brexit” vai deixar a Inglaterra “totalmente sozinha e isolada” na Europa. “É estúpido e isto vai ficar muito complicado para os britânicos que estão na Europa. Mas graças a Deus que o Governo de Portugal é muito generoso e dá-nos acesso aos cuidados de saúde e a esse tipo de coisas, até a votar”, observa.
Mas nem todos os britânicos a viver no Baixo Alentejo são tão críticos como Susan e Peter relativamente ao “Brexit”. É o caso de John Ashton, Mike Murphy e Susan Heath, todos eles radicados na vila de Entradas (Castro Verde), que elogiam com fervor a saída do Reino Unido da União Europeia.
“Há anos que defendo o ‘Brexit’, pois a Inglaterra estava a ser governada a partir de Bruxelas. Esta é a melhor solução”, afirma John Ashton, 71 anos, natural de Manchester, que não antevê problemas para os cidadãos ingleses a residir em Portugal (ou vice-versa). “Temos a aliança política mais antiga do mundo”, advoga.
Susan Heath, 66 anos, de Stoke-on-Trent, partilha esta ideia. “Antes as pessoas também iam trabalhar para outros países e iam de férias… Não vejo porque será um problema”. Além do mais, “se Portugal mandar todos os ingleses embora, então terão problemas no Algarve. O mesmo em Inglaterra: se mandarmos todos os enfermeiros portugueses embora, teremos problemas graves”, observa.
Ao lado, o marido Mike Murphy, 68 anos, acrescenta que com o “Brexit” o Reino Unido vai “ter a indústria de regresso, mais emprego, mais pessoas a trabalhar e uma vida melhor”. “Vamos ficar melhores e mais fortes”, conclui este inglês de 68 anos… que também defende saída de Portugal da União Europeia.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima