Manuel Figueira "esperava mais" do executivo socialista da Câmara de Beja

Manuel Figueira "esperava mais" do executivo socialista da Câmara de Beja

Desilusão e preocupação! São estes os sentimentos de Manuel Figueira quando olha para a cidade onde sempre viveu, não poupando nas críticas ao actual executivo da Câmara Municipal, liderado pelo socialista Jorge Pulido Valente.
“Esperava mais deste elenco directivo, até porque também trabalhei para isso e para que efectivamente as coisas mudassem”, admite o antigo comerciante de 76 anos, que é actualmente vice-presidente da ACOS – Associação de Criadores de Ovinos do Sul e vice-provedor da Misericórdia de Beja, entre outros cargos.
Em declarações ao “CA” no âmbito da sua distinção com o grau “Mérito e Dedicação” atribuída pela União das Misericórdias Portuguesas <b>[ver entrevista na edição de 12 de Agosto do "Correio Alentejo", amanhã nas bancas]</b>, Manuel Figueira sublinha que “a desculpa de que não há dinheiro [na Câmara de Beja] não serve para tudo” e deixa um alerta à equipa de Pulido Valente: há mais bejenses insatisfeitos e a pensar como ele.
“As pessoas estão desiludidas e não vai ser com meia dúzia de coisas que façam próximo da data das eleições que se vão esquecer do que se devia ter feito e não se fez. Além disso, penso que este executivo da Câmara [de Beja] devia ter muitíssimo cuidado, pois sabe que foi eleito com votos que não são do seu partido. Esta Câmara só foi eleita porque os [militantes e simpatizantes do] PSD e outros partidos votaram no PS”, argumenta.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

ULSBA participa em projecto europeu

A Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) candidatou-se ao projecto europeu de facturação electrónica “European Hospitals adopting the e-invoicing Directive”, aprovado pela INEA

CIMBAL apresenta propostas para o PRR

A Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) submeteu vários contributos ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no âmbito da consulta pública promovida ao documento.

Role para cima