Litoral Alentejano: Parceria público-privada cria rota de 300 quilómetros pedestres

Litoral Alentejano: Parceria público-privada cria rota de 300 quilómetros pedestres

Uma nova rota com cerca de 300 quilómetros de percursos pedestres ao longo da costa alentejana e vicentina está a ser promovida numa parceria público-privada, com o objectivo de potenciar o turismo independente da sazonalidade.
A “Rota Vicentina” percorre 300 quilómetros entre Santiago do Cacém e Vila do Bispo, criando dois percursos, um “histórico”, que passa por várias localidades, e outro que aproveita trilhos pedonais de pescadores, atravessando todo o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e da Costa Vicentina.
A ideia de criar a “Rota Vicentina”, surgiu, segundo recordou a coordenadora do projecto, Marta Cabral, da “necessidade dos empresários terem uma base de turismo de natureza para oferecer aos seus clientes fora da época alta”.
“Isto é uma zona ainda muito sazonal e esta é uma estrutura pública que se torna essencial para cativar outro tipo de turismo”, acrescentou, explicando que já havia “grupos estrangeiros a fazer caminhadas”, contudo, não podiam “fazê-lo de forma autónoma, porque os percursos não estão marcados”.
Uma vez que a intenção é aproveitar caminhos de terra já existentes, o projecto, que “arrancou formalmente em Março”, visa sobretudo “definir trilhos” e “assinalar percursos”, bem como “fazer um levantamento das intervenções físicas que possam vir a ser necessárias, como algumas pequenas pontes ou cordas”.
O investimento de 540 mil euros, comparticipado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), destina-se sobretudo à sensibilização das comunidades locais, bem como a uma campanha internacional, já que o projecto quer incentivar a visita de turistas estrangeiros.
“Aquilo que estamos a oferecer às pessoas é uma possibilidade de usufruir do território ao ritmo da caminhada, poder ir parando num café, conversando com as pessoas com quem se cruzam, poder dormir num local numa noite e noutro noutra e interagir com as pessoas que aqui vivem”, explicou.
A parceria, que engloba, entre outras entidades, a Associação de Turismo do Baixo Alentejo Casas Brancas, a Associação Almargem, os municípios, o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade e a Entidade Regional de Turismo do Alentejo, quer envolver ainda mais organismos locais.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima