Líder da AF Beja teme que clubes caminhem para o abismo

Líder da AF Beja teme que

O presidente da Associação de Futebol de Beja (AFB) teme que os clubes possam estar a “caminhar para o abismo”, gastando por época mais do que aquilo que podem.
Confrontado pelo “CA” com o valor total dos orçamentos das 14 equipas que militam na 1ª divisão distrital (cerca de 412 mil euros), José Luís Ramalho garante não ficar “muito surpreendido”, dado o movimento que observa em matéria de contratações, algumas das quais internacionais.
“Surpreende-me os clubes caminharem para o abismo. Porque sabendo-se que as receitas são praticamente nulas, que poucos têm assistências que justifiquem grandes investimentos e que as autarquias estão cada vez mais a reduzir os seus apoios, estranho como é que os clubes se metem nessa aventura”, diz.
Para o presidente da AFB, é urgente o futebol distrital sénior mudar de paradigma e adoptar uma postura cada vez mais amadora.
“Posso garantir que há muitas equipas, mais na 2ª divisão, em que os jogadores já só jogam por amor à camisola”, afirma.
Questionado pelas queixas de dirigentes de muitos clubes relativamente às despesas com inscrições e taxas, José Luís Ramalho diz tratar-se de um “contra-senso”.
“Os clubes, por sua vontade, não pagavam nada à associação. Mas depois pagam tudo a jogadores”, contrapõe.
O presidente da AFB lembra ainda que a associação “tem feito tudo” para ajudar os clubes neste momento de crise, tendo diminuídos os valores a pagar pelas equipas seniores, femininas e de futsal.
“Mas tem de haver pagamentos, pois há custos”, acrescenta José Luís Ramalho, que dá o exemplo da arbitragem: “Pagamos em média 4.000 a 4.500 euros por semana só em arbitragem! E a arbitragem devia ser paga pelas taxas que os clubes pagam, mas isso não chega”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima