Importância dos santuários em debate em Alandroal

Importância dos santuários

A importância dos santuários e o lugar central que têm ocupado em todas as culturas e religiões, ao longo da História, vão ser realçados num congresso internacional em Alandroal, entre esta sexta-feira e domingo, dias 12 a 14.
O congresso intitula-se “Santuários: Cultura, Arte, Romarias, Peregrinações, Paisagens e Pessoas” e vai decorrer no Fórum Cultural Transfronteiriço de Alandroal, englobando comunicações, debates, exposições e visitas.
Luís Jorge Gonçalves, professor da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, uma das entidades organizadoras, explica à Agência Lusa que o objectivo é “reunir estudiosos” sobre santuários e promover uma reflexão conjunta acerca do assunto.
“Há muitos santuários, espalhados por todo o mundo, mas há poucos estudos e reflexão sobre os santuários, é um tema que tem passado relativamente marginal, até ao nível dos próprios estudos académicos”, realça.
Por isso, o encontro quer contribuir para dissipar essa lacuna: “Pretende-se que seja o primeiro de muitos congressos, para que possamos criar quase uma pequena enciclopédia em torno desta temática tão rica”, diz.
Mais de 100 participantes e especialistas, portugueses e estrangeiros, sobretudo do Brasil, Espanha e Itália, vão estar reunidos, durante três dias, na vila de Alandroal, no Alentejo, concelho que alberga um antigo santuário do culto do Endovélico, deus dos lusitanos e com especial importância na época romana.
“Foi um dos maiores santuários do período romano e já fazia a síntese entre as populações indígenas, porque é em honra de um deus de indígenas, e a própria população romana, chegando mesmo a ser cristianizado”, explica Luís Jorge Gonçalves.
Os santuários, ao longo da História e “em todas as culturas e religiões”, realça o professor universitário, sempre foram vistos “como lugar de encontro com o divino” e estiveram “presentes na história humana, como lugares centrais onde se vai para estar mais perto do sagrado”.
“Em termos de construção, talvez tenham sido os lugares mais importantes, porque o homem sempre ‘moveu montanhas’ para os edificar, foram sempre uma coisa em grande”, refere.
Estes locais de culto, acrescentou, “ocupam um lugar central, independentemente da época histórica, da zona geográfica, da cultura e da religião, seja ela divina ou profana”.
Neste aspecto, Portugal “é um país muito rico” e tem “imensos santuários, públicos ou privados, maiores ou menores”, mas o de Nossa Senhora de Fátima é o mais importante: “Fátima é o culto dominante e o respectivo santuário ‘apaga’ os restantes”.
“Só preservamos o que conhecemos e, como em tudo na vida, os santuários nascem, têm o seu apogeu e muitas vezes morrem. Vamos também falar desse constante movimento religioso, para chamar a atenção para esta pluralidade de santuários”, frisa o organizador.
O congresso é organizado em parceria com a Câmara de Alandroal e o Centro de Estudos do Endovélico, o Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões da Universidade Nova de Lisboa, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Universidade Federal Fluminense (Brasil).

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima