Hospital de Beja faz primeiro implante de "pacemaker" de segunda geração

Hospital de Beja faz primeiro implante de "pacemaker" de segunda geração

O primeiro implante no Alentejo de um <i>pacemaker</i> de segunda geração, que permite a portadores fazerem sem limitações a ressonância magnética, um dos principais exames para diagnosticar doenças oncológicas e neurológicas, foi feito no Hospital de Beja.
O novo <i>pacemaker</i> é “compatível com a técnica de ressonância magnética” e traz “uma nova esperança” aos portadores, que vão poder fazer o exame “sem qualquer limitação”, explicou à Lusa o médico cardiologista do Hospital de Beja que realizou o implante há uma semana, Luís de Moura Duarte.
Segundo o médico, devido à possível ocorrência de arritmias, danificação do <i>pacemaker</i> e risco de morte, já foi recusada a “muitos doentes” com o dispositivo a realização de exames de ressonância magnética, cuja aplicação é “crescente” e “muitas vezes insubstituível no diagnóstico”.
Cerca de dois milhões de pessoas já colocaram <i>pacemakers</i> na Europa e estima-se que “50 a 75 por cento” dos portadores em todo o mundo “venham a necessitar de realizar uma ressonância magnética ao longo da sua vida”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima