Água: Câmaras alentejanas querem renegociar parceria pública com o Estado

Água: Câmaras alentejanas querem renegociar parceria pública com o Estado

A Associação de Municípios para a Gestão da Água Pública (AMGAP), que junta 21 municípios alentejanos, quer discutir com a ministra do Ambiente uma proposta de renegociação da sua parceria pública com o Estado, que pode estar “em risco” com a eventual privatização da Águas de Portugal (AdP).
O presidente da AMGAP disse esta semana que a associação vai pedir uma reunião à ministra do Ambiente para discutir uma “proposta de renegociação da parceria”, porque as circunstâncias actuais são “completamente diferentes em vários pontos de vista” das que existiam quando a parceria foi celebrada.
A eventual privatização da AdP e o futuro da parceria, entre outras questões, serão discutidas na reunião, disse José Maria Pós-de-Mina, que admitiu que a privatização total ou da maioria do capital da AdP pode pôr “em risco” a parceria com o Estado.
Através da parceria, a AdP, em representação do Estado, e a AMGAP, criaram em 2009 a empresa Águas Públicas do Alentejo para melhorar e gerir o abastecimento em alta e o saneamento de águas residuais nos concelhos parceiros.
A empresa, integrada no sector empresarial do Estado, é detida em 51% pela AdP e em 49% pela AMGAP, que é formada por 14 municípios do distrito de Beja, quatro de Évora e três de Setúbal.
“A parceria é entre o Estado e os municípios” e o contrato define que se um dos parceiros for privatizado “a parceria caduca”, disse, referindo que o futuro da parceria vai “depender” do tipo de privatização da AdP e da “vontade política do Governo”.
Segundo o também autarca de Moura, “o problema colocar-se-á se houver uma privatização total ou da maioria do capital da AdP” e se o Estado não tiver interesse em continuar a parceria.
“Se houver vontade política do Governo em manter esta figura do contrato de parceria pública, a parceria poderá manter-se independentemente do que acontecer com AdP”, já que “o Estado pode substituir a AdP por outra entidade pública”, explicou.
Caso contrário, a parceria caduca e a Águas Públicas do Alentejo passa para a propriedade da AMGAP, que continuará a melhorar e a gerir o abastecimento em alta e o saneamento de águas residuais nos 21 concelhos parceiros “nos termos do contrato celebrado”.
O problema “não se coloca” se a privatização da AdP for inferior a 50 por cento do capital, porque a empresa continuará a fazer parte do sector empresarial do Estado e pode representá-lo na parceria, explicou.
Segundo o autarca, o problema também “não se coloca” se a privatização da AdP “não for feita ao nível da SGPS, mas das subsidiárias”, porque a Águas Públicas do Alentejo “não é passível de privatização”.
“Tem que haver prudência na matéria”, porque “não se pode criar nenhum cenário que ponha em risco a concretização dos investimentos” previstos, que “são indispensáveis e terão que ser concretizados nos próximos anos”, como os da candidatura que envolve “verbas significativas” e será financiada pelo Fundo de Coesão da União Europeia.
O autarca disse que os municípios querem que a parceria continue e defendeu que “devem ser criadas as condições” para que tal aconteça, porque “o sector público tem um papel fundamental na gestão da água”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

ULSBA participa em projecto europeu

A Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) candidatou-se ao projecto europeu de facturação electrónica “European Hospitals adopting the e-invoicing Directive”, aprovado pela INEA

CIMBAL apresenta propostas para o PRR

A Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) submeteu vários contributos ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no âmbito da consulta pública promovida ao documento.

Role para cima