Criminalidade aumenta em Beja, mas distrito continua a ser seguro

A criminalidade aumentou 14,9% no distrito de Beja em 2021, com mais 561 crimes participados às autoridades ao longo dos últimos 12 meses. Os dados constam do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) relativo a 2021, fazendo de Beja a região onde a criminalidade mais aumentou percentualmente no ano passado. Ainda assim, continua a ser quinto distrito “mais seguro” do país.

De acordo com o RASI 2021, já aprovado pelo Conselho Superior de Segurança Interna e consultado pelo “CA”, no ano passado foram registadas 4.321 participações de crimes em toda a região, mais 561 que em 2020, o que representa um aumento de 14,9%.

Apesar da subida exponencial, com menos participações que Beja só mesmo os distritos Portalegre (3.058), Bragança (3.140 participações), Guarda (3.462) e Évora (3.595).

Ainda assim, no que toca à criminalidade violenta e grave, Beja registou 84 participações, menos cinco que no ano anterior, a que corresponde uma quebra de 5,6%. Também aqui Beja é o terceiro distrito com os melhores resultados, apenas atrás de Bragança e Guarda (ambos com 56 participações registadas no último ano).

Por concelhos, Beja volta a ser o município com maior número de participações registadas, com um total de 968, mais 42 que em 2019. Segue-se o concelho de Odemira, com 788 participações (mais 83), e o de Moura, com 361 (mais 45). Abaixo das 100 participações de crimes em 2021 só mesmo o concelho de Barrancos (79).

O crime mais participado na região no último ano foi o de condução de veículo com taxa de álcool igual ou superior a 1,2g/l (329 participações, mais 47,5% que um ano antes), seguido dos crimes de ofensa à integridade física voluntária simples (322 participações, um aumento de 7,3%), e de violência doméstica contra cônjuge ou análogos (293 participações, mais 4,6%).

Entre os crimes que mais aumentaram percentualmente na região surgem ainda os de condução sem habilitação legal (mais 54,3%, num total de 213 participações), de furto de objeto não guardado (mais 44,1%, com 85 participações) e de difamação, calúnia e injúria (mais 33%, com 129 participações).

No que toca à criminalidade violenta e grave, os mais registados foram os de resistência e coação sobre funcionário (23 participações, menos 23% que em 2020), roubo na via pública (16), ofensa à integridade física voluntária grave e extorsão (ambos com 12 participações cada).

O RASI 2021 aponta ainda Beja com um dos dois distritos, juntamente com Évora, onde foram registadas mais investigações relacionadas com o tráfico de pessoas. De acordo com o documento, foram 34 as vítimas identificas, na sua maioria homens e trabalhadores na agricultura. Entre as vítimas contabilizaram-se 11 cidadãos da Moldova, seis da Roménia, cinco da Índia e três da Serra Leoa, assim como nove provenientes de mais seis países, protegidos por “segredo estatístico”.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima