Comissão de Utentes contra fim da comarca Alentejo Litoral

Comissão de Utentes contra

A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos de Sines está a promover um abaixo-assinado contra a extinção da comarca do Alentejo Litoral, prevista no novo mapa judiciário.
“Consideramos que este assunto deve voltar a ser discutido na Assembleia da República e, por isso, estamos a finalizar a recolha de [assinaturas para] um abaixo-assinado para entregar aos órgãos competentes, para que respeitem os direitos das populações”, disse a comissão.
Em comunicado, a Comissão de Utentes dos Serviços Públicos de Sines afirmou respeitar a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Administrativo (STA), que rejeitou uma providência cautelar para impedir a extinção da comarca.
Contudo, pode ler-se na nota de imprensa, a comissão “continua a considerar que este assunto não está resolvido”.
Trata-se de “uma questão política”, tal como o STA referiu, frisou a entidade, insistindo que a medida decidida pelo Governo PSD/CDS-PP “penaliza a população e os trabalhadores de Sines, afastando-os cada vez mais do direito à justiça”.
“O encerramento do Tribunal de Trabalho e Família de Sines vai implicar a deslocação das pessoas a Santiago do Cacém” e a extinção da comarca vai obrigar as pessoas a deslocarem-se a Setúbal “para grande parte dos processos”.
Sines, segundo a comissão de utentes, “é um dos maiores pólos industriais do país”, tendo acolhido a criação da comarca-piloto do Alentejo Litoral.
“E nem se esperou para ver resultados. Depois de tanto investimento, pura a simplesmente, fecha-se portas”, criticou a comissão, apelando à população para continuar a lutar “em defesa das competências do tribunal de Sines e da actual comarca do Alentejo Litoral”.
Na semana passada, o STA anunciou a rejeição da providência cautelar interposta, na forma de acção popular, pela Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL) e por um cidadão.
A acção defendia a manutenção da Comarca do Alentejo Litoral, cuja extinção está prevista na reorganização do mapa judiciário ‘desenhada’ pelo Governo e aprovada pela Assembleia da República.
O STA disse entender que a acção popular é "matéria a ser regulada pela via legislativa" e admitiu a sua "incompetência administrativa" para apreciar “litígios que visem a impugnação de actos praticados no exercício da função pública e legislativa".
De acordo com a nova legislação, que entra em vigor a 1 de Setembro, os concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém e Sines ficam sob a alçada da Comarca de Setúbal, enquanto Odemira transita para a Comarca de Beja.
O Juízo Misto do Trabalho e da Família e Menores de Sines é extinto, passando as suas competências para Santiago do Cacém, e o Tribunal de Alcácer do Sal é convertido numa secção de proximidade.
Os tribunais de Grândola, Odemira e Santiago do Cacém perdem competências, pois os processos cíveis e criminais de maior envergadura passam a ser tratados nas sedes das comarcas.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

OP de Odemira com 51 propostas em 2021

Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do “Orçamento Participativo” (OP) de

Role para cima