Um partido no seu labirinto

Quinta-feira, 21 Fevereiro, 2019

Carlos Pinto

director do correio alentejo

A Distrital de Beja do PSD foi a votos e o resultado foi concludente: uma vitória esmagadora da lista liderada por Gonçalo Valente, que somou a preferência de cerca de 80% dos militantes que foram às urnas, em detrimento da equipa apresentada por Marciano Lopes, fundador do partido na região e um dos seus “históricos” do período “cavaquista”, mas que nunca chegou à ambicionada liderança da Distrital.
A vitória de Gonçalo Valente não oferece dúvidas e a sua magnitude até pode ajudar a sarar algumas “feridas” que sempre se abrem numa disputa interna. Sobretudo nesta, que foi claramente bipolarizada, colocando o “passado” de um lado da barricada e o “futuro” do outro lado. E o PSD no distrito de Beja bem que precisa de alguma tranquilidade e estabilidade, depois de dois anos sob a liderança de João Guerreiro que deixam poucas saudades entre sociais-democratas. Ainda mais numa altura em que há duas eleições nacionais no horizonte: Europeias em Maio e Legislativas em Outubro.
É por tudo isto que a tarefa que o novo líder do PSD tem pela frente é hercúlea para recuperar um partido que se encontra num labirinto, em busca de escapatória para a situação em que se deixou cair no distrito de Beja: quase sem representação autárquica, desligado da sociedade civil e sem ideias concretas para a região.
Se Gonçalo Valente conseguir inverter este quadro será, seguramente, uma boa notícia para o PSD mas também para o distrito de Beja, que precisa de todos para, com espírito democrático, ultrapassar os enormes desafios que tem pela frente.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima