Trump(alhices)

Quinta-feira, 16 Fevereiro, 2017

Napoleão Mira

empresário

Na minha última crónica pressagiava o que estaria para acontecer nos Estados Unidos com a tomada de posse desse elefante destravado em loja de cristais chamado Donald Trump.
Pois bem! O homem não só leva à letra as promessas feitas em campanha, como parece fazer tábua rasa das seculares instituições democráticas, teimando em gerir o país como se de um construtor civil sem alvará se tratara.
O homem percebe tanto de política como eu de lagares de azeite. Na verdade parece mais uma criança mimada habituada a que lhe façam todas as vontadinhas e, quando tal não acontece, faz birra através do twitter insultando este mundo e o outro, pouco se preocupando com o impacto do seu vómito verbal.
Quando em Portugal afirmamos que a classe política vigente é medíocre, interesseira e tendenciosa, quase que me apetece dar-lhe abracinhos e beijinhos. Apetece aconchegá-la e pedir-lhes desculpa pelo juízo errado que deles faço se comparada com a família Adams que acaba de aterrar na Casa Branca.
Tomemos como exemplo a conselheira do presidente Kellyanne Conway, uma espécie de retroescavadora falante que pouco se importa se o que diz é verdade, desde que ela acredite nas suas próprias mentiras.
Dou como exemplo o massacre de Bowling Green hipoteticamente levado a cabo por dois iraquianos radicalizados. O massacre nunca existiu mas ela culpou os media americanos por não o cobrirem.
Só por este, chamemos-lhe, lapsus linguae, esta conselheira seria de imediato exonerada com justa causa em qualquer governo democrático que se preze.
Como tal não aconteceu, dias depois a desabrida Kellyanne não se coibiu de fazer uma sessão gratuita de televendas a partir das instalações oficiais da Casa Branca a favor de Ivanka Trump, exortando os americanos a comprarem os produtos da marca da filha do presidente. Assim mesmo… Sem fófó nem gaitinha!
Acho que nem sequer vale a pena falar da obrigação constitucional de separação de negócios pessoais e familiares versus cargo presidencial que esta conselheira ignora olimpicamente.
Choveram criticas por todos os lados. Especialmente dos meios de comunicação e redes sociais, enquanto que do gabinete presidencial, pasme-se, vinham os mais tecidos elogios à desfaçatez das destrambelhada conselheira. No entretanto, Ivanka Trump esfregava as mãos de contente com o acesso a tão barato e poderoso meio de promover os seus produtos e empresas que, ou muito me engano, serão em sociedade com um senhor que costuma usar gravatas vermelhas até aos joelhos.
De Trump(alhice) em Trump(alhice) vamos preenchendo o anedotário planetário. O pior virá, quando um dia acordarmos e o homem tiver declarado guerra, mas a sério, ao mais improvável dos seus aliados.
Que os deuses me permitam estar errado!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima