Galinhas poedeiras

Quinta-feira, 17 Setembro, 2020

Jorge Serafim

contador de histórias

Não senhor. Não vão roubar o comboio Intercidades à cidade de Beja. “Rumores, nada mais”, mencionou o senhor governador civil nas páginas deste semanário. “Aqui nesta terra ‘arrumora-se’ muito” conclui sua entidade. Parece que sim, parece que os bejenses andam preocupados sem razão, pois que, a perder alguma coisa, das duas presentes ligações à capital do país, só uma é que vai à vida, a outra permanece só e orgulhosa para desfrute e deleite da plebe. O que eles se esquecem de mencionar, pois pelos vistos há muito que não frequentam caminhos ferroviários, é que dantes, há três ou quatro anos, as deslocações de comboio para a capital eram três. Uma de manhã, outra depois de almoço e por último, ao final da tarde. Além de suprimirem a ligação das 14h20, ainda tiveram o desplante de aumentar o bilhetinho em mais de mil “mérreis”. De nove euros e noventa o papelinho subiu para catorze e noventa. Nem mais! E toma lá que já almoçastes! A CP é amiga do seu amigo. E não desesperem, porque ainda vos sobra a qualidade e o conforto da automotora da Funcheira. E assim, lá vamos nós, os de Beja snifando gasóleo até ao Barreiro, porque afinal os de Évora também têm direito a sentar a albardar em cómodas composições. Qualidade de serviços para os dois é que não pode ser. De que jeitos? Esvazia-se num para encher no outro. Nada de reclamações. Durante 10 anos de cavaquismo esquartejaram-lhes o banco de Portugal e outros organismos do Estado e agora com os socialistas é que querem piar? Está mal e não é bonito.
Ainda vem o Senhor Ameixa perguntar se lemos com olhos de ler o Plano Nacional de Políticas de Ordenamento do Território. Eu gostei, particularmente, daquela parte em que um idiota que com certeza não sabe sequer onde fica a nossa urbe, salienta a reconversão do aeródromo civil de Beja em aeroporto. Aeródromo? Será que se refere àquele pedaço de terra batida que está situado nas traseiras dos aviários dos Serranos. Alguém consultou as galinhas? Coitadinhas das aves, não se lhes auguram futuro promissor. Nem para elas nem para a sobrevivência da espécie. Pois que, com tanto tráfego aéreo a zunir e a trepidar paredes-meias com a fase poedeira, os ovos ao serem postos apresentam-se mexidos. Depois, só nos resta come-los enrolados em bacon e chupar umas pastilhazinhas para a azia para ir deglutindo as mentiras pregadas em nome desta terra.

Sugestão: Em vez de requerimentos à CP, o movimento BAAL21 tem aqui uma boa oportunidade para mostrar serviço, solicitar a quem de direito, o Governo, uma audiência de esclarecimento. A cidade e os seus cidadãos necessita-lo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Em Destaque

Últimas Notícias

Role para cima