Câmara de Ferreira recolhe lixo da "rave" em barragem

Câmara de Ferreira recolhe

A Câmara de Ferreira do Alentejo está a recolher os “muitos sacos do lixo” produzidos pelos participantes da festa ilegal realizada no fim-de-semana na barragem de Odivelas.
“Por solicitação da GNR, a Câmara decidiu prestar este apoio e, desde terça-feira, está a proceder à recolha dos muitos sacos do lixo que ficaram no local”, disse esta quarta-feira, 20, à Agência Lusa Manuel Reis, vereador do Ambiente no Município.
Os trabalhos deverão “terminar hoje” [quarta-feira], acrescentou o vereador, explicando não poder ainda quantificar o lixo que ficou no local, mas considerando positivo que tenha sido acondicionado em sacos.
“Ainda é uma grande quantidade, mas está tudo ensacado. Eles [participantes na festa] recolheram tudo o que estava abandonado e tiveram o cuidado de acondicionar o lixo em sacos próprios”, sublinhou Manuel Reis.
Segundo o vereador, tanto a recolha como a deposição do lixo em aterro, “têm um custo para a câmara”, mas a autarquia “decidiu assumi-lo para bem da limpeza” de um dos principais espaços de lazer do concelho.
O também presidente da Associação de Beneficiários da Obra de Rega de Odivelas (ABORO), entidade gestora da albufeira e proprietária dos terrenos onde decorreu a festa ilegal, realçou que, assim sendo, “não vai ser feita qualquer queixa”.
“A ABORO decidiu não avançar com a queixa. Admitimos essa hipótese porque, se ficasse lixo espalhado no espaço, corríamos o risco de ser responsabilizados por essa poluição, quando nem sequer tínhamos autorizado a festa”, justificou Manuel Reis.
Os últimos participantes na festa ilegal saíram do local na terça-feira, 19, sob vigilância de aproximadamente 50 militares da GNR.
Nesse mesmo dia, fonte do Comando Territorial de Beja da Guarda disse à Lusa que o espaço na margem da albufeira que serviu de ‘palco’ para o acampamento ilegal, iniciado na quinta-feira passada, tinha ficado “limpo, sem lixo espalhado”.
“Quase todo o lixo foi levado pelos participantes. O que ainda lá ficou está ensacado e os sacos foram colocados perto da zona de saída do espaço”, acrescentou, na ocasião.
A festa rave, alegadamente convocada através da Internet, segundo a GNR, chegou a juntar “cerca de duas mil pessoas”, a maioria estrangeiros, acampadas nas imediações da água, em caravanas ou tendas.
A iniciativa foi contestada por outros frequentadores da albufeira e motivou queixas à GNR apresentadas por turistas e pelo parque de campismo local, devido ao ruído e ao volume elevado da música, que foi transmitida na sexta-feira e no sábado.
A GNR, no sábado, 16, fez uma acção de fiscalização na festa e apreendeu o material sonoro. Após essa acção, cinco militares sofreram ferimentos ligeiros, ao serem atingidos por objectos, nomeadamente pedras, atiradas alegadamente por participantes da festa.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima