Beja: Museu de Arte Contemporânea Jorge Vieira fechado até Novembro

Beja: Museu de Arte Contemporânea Jorge Vieira fechado até Novembro

O Museu de Arte Contemporânea Jorge Vieira, em Beja, está fechado até Novembro para trabalhos de requalificação, num investimento de 20 mil euros, que inclui a reestruturação da funcionalidade do edifício e a conservação preventiva do espólio.
A requalificação do museu, sobretudo a “intervenção de fundo” no 1.º andar, vai permitir “melhorar as condições para exposições” do edifício, explicou hoje à Agência Lusa o vereador da Câmara de Beja, Miguel Góis.
Segundo o vereador, o edifício “tem grandes problemas de infiltrações e humidade, não tem uma constante de temperatura” e, por isso, “é de difícil climatização”.
Por outro lado, continuou, a requalificação vai permitir “expor mais obras” de Jorge Vieira e, desta forma, “dar a conhecer melhor o espólio riquíssimo” do escultor e artista plástico, cuja “maior parte das peças têm estado guardada” e “nem sempre nas melhores condições”.
A reestruturação da funcionalidade do edifício, sobretudo a intervenção no primeiro andar, inclui a reparação e reorganização da rede eléctrica, estabilização dos níveis de temperatura, luz e humidade e a reparação de portas e janelas, além de outros arranjos.
A intervenção inclui também trabalhos de conservação preventiva do espólio de Jorge Vieira, que faleceu em 1998 e é considerado uma das referências da arte contemporânea portuguesa.
Trata-se da colecção de 53 esculturas e 135 desenhos que o artista doou à Câmara de Beja, em 1995, e parte da qual tem estado em exposição permanente no museu com o seu nome.
Segundo Miguel Góis, o museu deverá reabrir no início do mês de Novembro e a exposição permanente de Jorge Vieira, anteriormente patente no rés-do-chão do edifício, vai ficar instalada no primeiro andar, que tem “melhores condições de preservação das obras”.
Além da exposição permanente, que vai passar a incluir mais peças, o museu irá mostrar também exposições temporárias, disse Miguel Góis.
O objectivo das exposições temporárias, explicou, é “mostrar ao público obras menos conhecidas” do espólio de Jorge Vieira, sobretudo desenhos, que, “por razões de espaço”, estavam guardadas.
No rés-do-chão do museu vão passar a funcionar os serviços e actividades pedagógicas e lúdicas relacionadas com as colecções.
Até agora, o rés-do-chão tem sido a zona de “mais difícil intervenção”, com “problemas estruturais” que “reaparecem sempre”, como se verificou em intervenções realizadas anteriormente.

Partilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Correio Alentejo

Artigos Relacionados

Role para cima